CFP assume fim da sobretaxa do IRS e de cortes salariais em 2016

Teodora Cardoso
Teodora Cardoso

O défice público poderá ficar em torno dos 2,8% do PIB este ano, cumprindo assim o Pacto de Estabilidade e Crescimento, mas as pressões orçamentais vão regressar e Portugal tornará a violar a regra mãe do tratado orçamental já no próximo ano se as políticas não mudarem e não houver novas medidas de consolidação orçamental, diz o Conselho das Finanças Públicas (CFP).

Razão para o agravamento esperado: um cenário para 2016 em que o Governo seguinte, o que sairá das eleições deste ano, deixa cair definitivamente a sobretaxa do IRS e repõe totalmente os cortes salariais aplicados aos funcionários públicos nos últimos quatro anos.

Isto é resultado das hipóteses assumidas: o CFP assume um cenário de política invariantes, isto é, em que não há novas medidas de consolidação orçamental que travem a subida do défice em 2016.

No estudo “Finanças Públicas: Situação e Condicionantes 2015-2019”, hoje divulgado, o conselho presidido por Teodora Cardoso afirma que o défice deste ano pode muito bem ficar em linha com o objetivo do Governo PSD-CDS (2,7%) e bastante abaixo das projeções da Comissão Europeia e do Fundo Monetário Internacional, que esperam ambos 3,2%.

Mas o aparente sucesso vai durar pouco tempo, estima o Conselho. Segundo o CFP, o défice sobe para 3,3% em 2016 e até 2019 nunca respeitará a meta do PEC. Ficará sempre próximo, mas acima de 3%.

“A deterioração projetada em 2016, que traduz uma inflexão da trajetória de redução do défice orçamental, reflete essencialmente o facto de em 2016 deixar de se considerar a manutenção da sobretaxa em sede de IRS“, refere o estudo.

Além disso, a equipa de Teodora Cardoso “considera na despesa o efeito da reposição total das remunerações aos trabalhadores das administrações públicas, eliminando a redução remuneratória aplicada nos últimos quatro anos”.

O atual Governo tem um plano para ir eliminando a sobretaxa e os cortes salariais apenas gradualmente. A redução da sobretaxa depende dos resultados financeiros do combate à evasão fiscal e a eliminação dos cortes salariais serão faseados por cinco anos (reposição de 20% do corte ao ano).

Sob as hipóteses admitidas pelo CFP, que os cortes e a sobretaxa desaparecem na totalidade no próximo ano, “a partir de 2016 o défice orçamental situar-se-á acima do limiar de 3% do PIB, definido como teto no protocolo anexo ao Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia”.

O Conselho acrescenta que “com base num cenário macroeconómico compatível com as previsões disponíveis para a economia internacional e nacional e com as evoluções mais recentes, elaborou-se um cenário orçamental para o quinquénio 2015-2019, assente nas medidas de política económica e orçamental em vigor“.

“Os seus resultados são claros quanto à necessidade de prosseguir o esforço de consolidação orçamental”, diz Teodora Cardoso.

“Embora pareça viável a obtenção em 2015 de um défice que não ultrapasse 3% do PIB, permitindo encerrar o Procedimento por Défices Excessivos, na ausência de políticas adicionais e não obstante a convergência da economia para o seu crescimento potencial, o défice voltará a superar essa marca a partir de 2016”, estima.

“Como consequência, o rácio da dívida apresentará um declínio significativamente inferior ao que decorreria do DEO/2014 (para 121,9% em vez de 114% no ano de 2018).”

(Atualização às 14h00 com a informação de que o cenário assumido pelo CFP, que aponta para défice de 3,3% em 2016, é de políticas invariantes e que não existirá, nesse ano, novas medidas de consolidação)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
João Lousada no deserto de Omã como astronauta análogo, em 2018

João Lousada. Conheça o primeiro português a liderar a Estação Espacial

João Lousada no deserto de Omã como astronauta análogo, em 2018

João Lousada. Conheça o primeiro português a liderar a Estação Espacial

Fotografia: REUTERS/Henry Nicholls - RC122C9DD810

Cartas de Boris Johnson causam surpresa e perplexidade em Bruxelas

Outros conteúdos GMG
CFP assume fim da sobretaxa do IRS e de cortes salariais em 2016