China

Chefe da política económica da China recebe cargo influente

Vice-primeiro-ministro chinês, Liu He. Junho de 2018. REUTERS/Jason Lee
Vice-primeiro-ministro chinês, Liu He. Junho de 2018. REUTERS/Jason Lee

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, que dirige o grupo desde 2013, continuará a encabeçar o organismo.

O principal assessor económico do Governo chinês, e vice-primeiro-ministro da China, Liu He, recebeu outra posição influente dentro do renovado comité nacional de desenvolvimento tecnológico. Esta posição é um voto de confiança da liderança chinesa, apesar da guerra comercial com os Estados Unidos.

O comité, anteriormente designado Grupo Nacional de Liderança em Tecnologia e Educação, foi renomeado sem o termo educação, para refletir uma maior aposta na tecnologia, segundo um comunicado do Executivo chinês.

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, que dirige o grupo desde 2013, continuará a encabeçar o organismo, mas agora com o vice-primeiro ministro Liu He como número dois.

Liu, o principal assessor económico do Presidente chinês, Xi Jinping, está também encarregue do poderoso Comité de Estabilidade Financeira e Desenvolvimento, dirige as negociações comerciais com os EUA e orienta o processo de reforma das empresas estatais.

“A mudança no nome do comité revela que Pequim dá cada vez mais importância à ciência e tecnologia, sobretudo tendo em conta as atuais disputas comerciais com os EUA, e as restrições norte-americanas ao desenvolvimento da alta tecnologia na China”, afirmou o economista Hu Xingdou, citado pelo jornal de Hong Kong South China Morning Post.

As autoridades chinesas estão a encetar um plano designado “Made in China 2025”, para transformar o país numa potência tecnológica, com capacidades em setores como inteligência artificial, energia renovável, robótica e carros elétricos.

Washington critica os planos chineses, acusando Pequim de “táticas predatórias”, visando desenvolver o seu setor tecnológico, nomeadamente forçar a transferência de tecnologia por empresas estrangeiras, em troca de acesso ao mercado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Estado ‘devolve’ em deduções 60% do Adicional ao IMI que cobra

Amoreira Óbidos

Espanha desapareceu do mapa e França descobriu o velho oeste português

António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

EDP quer exportar tecnologia do maior parque eólico flutuante do mundo

Outros conteúdos GMG
Chefe da política económica da China recebe cargo influente