Guerra comercial EUA-China

China confirma acordo comercial inicial com EUA

EUA China
DR

Ministro chinês confirma acordo há muito desejado com os EUA, embora a Casa Branca ainda não o tenha feito

A China confirmou esta sexta-feira que chegou a um acordo comercial inicial com os Estados Unidos, o que marca um primeiro sinal concreto de abrandamento na guerra da tarifas que dura há 19 meses e abalou a economia mundial.

Foi Wang Shouwen, vice-ministro do Comércio da China, que revelou a posição chinesa indicando numa conferência de imprensa em Pequim que os dois lados fizeram “progressos significativos”. O acordo deverá resultar na remoção de algumas tarifas por parte dos Estados Unidos a mercadorias chinesas – no valor de 360 mil milhões de dólares. A remoção das tarifas será feita por fases, disse ainda o responsável que indica que haverão algumas isenções adicionais em alguns bens chineses.

“Vamos, assim, criar melhores condições para a China e para os Estados Unidos fortalecerem a cooperação”, disse Wang. O acordo inclui também o compromisso da China em comprar mais produtos agrícolas e em fortalecer as leis que protegem as empresas estrangeiras que operam no país.
Também existirão partes do acordo que abrangem a propriedade intelectual de alguns produtos, depois de Donald Trump ter acusado a China de ter “roubado tecnologia americana”.

Wang esclareceu também que ambos lados concordaram em concluir o mais rápido possível os pormenores legais e definir, assim, os termos finais do acordo para uma assinatura oficial.

A Casa Branca ainda não se pronunciou oficialmente sobre o acordo, anunciado ontem à noite por alguns meios de comunicação norte-americanos.

A notícia do acordo foi recebida por alguns investidores com alívio e satisfação, depois de vários meses de incerteza económica que afectou o mundo. O índice S&P 500 subiu ligeiramente esta manhã nos EUA.

Ficaram para já de fora quaisquer referências a gigantes chineses como a Huawei, que tem tido problemas com o bloqueio norte-americano. O novo smartphone da empresa, o Mate 30 Pro, já não terá componentes americanos, mas a marca tem problemas por não poder usar (devido ao bloqueio) o ecossistema completo da Google nos seus novos lançamentos de telefone. Algo que pode mudar em breve.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
apple one

Apple One junta vários serviços, chega a Portugal mas com limitações. O que tem

A  90ª edição da Micam, a feira de calçado de Milão, está agendada para os dias 20 a 23 de setembro, com medidas de segurança reforçadas. Fotografia DR

Calçado. Micam arranca este domingo e até há uma nova marca presente

Os ministros da Presidência do Conselho de Ministros, Mariana Vieira da Silva (C), Economia, Pedro Sia Vieira (E) e do Trabalho Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D). MANUEL DE ALMEIDA/POOL/LUSA

Portugal é o quarto país da UE onde é mais difícil descolar do mínimo

China confirma acordo comercial inicial com EUA