Guerra comercial

China e EUA “vão anunciar trégua” na guerra comercial durante cimeira do G20

EUA China

China e EUA vão anunciar trégua na guerra comercial na cimeira do G20

A China e os Estados Unidos vão acordar uma trégua nas suas crescentes disputas comerciais, na véspera de os líderes dos dois países se reunirem à margem da cimeira do G20, avançou hoje um jornal de Hong Kong.

Segundo o South China Morning Post, que cita fontes próximas das duas delegações, o acordo prevê o adiamento de mais taxas alfandegárias por parte dos EUA, que passariam assim a punir praticamente todos os produtos importados da China.

As condições do acordo serão anunciadas em comunicados separados e não numa declaração conjunta, esclarece o jornal.

O objetivo desta trégua, que as fontes sugerem que durará cerca de seis meses, seria retomar as negociações, visando pôr fim à guerra comercial que começou no verão passado.

O jornal de Hong Kong revela que o adiamento da imposição de taxas alfandegárias adicionais foi a condição imposta pelo Presidente chinês, Xi Jinping, para reunir com o homólogo norte-americano, Donald Trump, durante o G20.

“A realidade é que Trump pode mudar de ideias no último minuto”, disse uma das fontes citadas pelo jornal, acrescentando que “a trégua já foi preparada” e que seria semelhante à trégua de três meses estabelecida em dezembro passado, também durante uma cimeira do G20, em Buenos Aires.

Trump reiterou na quarta-feira que está “preparado” para impor novas taxas alfandegárias, caso as negociações fracassem.

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, garantiu que um acordo comercial entre a China e os Estados Unidos está “90% concluído”.

Em causa estão os planos de Pequim para o setor tecnológico, que visam transformar as firmas estatais do país em importantes atores globais em setores de alto valor agregado, como inteligência artificial, energia renovável, robótica e carros elétricos.

Os EUA consideraram que aquele plano, impulsionado pelo Estado chinês, viola os compromissos da China em abrir o mercado, nomeadamente ao forçar empresas estrangeiras a transferirem tecnologia e ao atribuir subsídios às empresas domésticas, enquanto as protege da competição externa.

A China não está disposta a alterar o seu sistema de capitalismo de Estado, que permite às suas empresas estatais controlar partes importantes da economia, em detrimento do investimento estrangeiro e uma competição justa.

Washington impôs já taxas alfandegárias de 25% sobre 250 mil milhões de dólares de bens importados da China e ameaça taxar mais 300 mil milhões.

Trump colocou ainda a gigante chinesa das telecomunicações Huawei numa “lista negra”, que restringe as empresas dos EUA de fornecer ‘chips’, semicondutores, ‘software’ e outros componentes, sem a aprovação do Governo.

Pequim ameaçou suspender a exportação para os EUA de terras raras, os minerais essenciais para o fabrico de produtos eletrónicos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Imagem de 2016 sobre as filas no atendimento para obter o passe do Metro, esta tarde na estação do Campo Grande em Lisboa. 
( Pedro Rocha / Global Imagens )

Passe Família já pode ser pedido. Mas prepare-se para a burocracia

Imagem de 2016 sobre as filas no atendimento para obter o passe do Metro, esta tarde na estação do Campo Grande em Lisboa. 
( Pedro Rocha / Global Imagens )

Passe Família já pode ser pedido. Mas prepare-se para a burocracia

Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.

Programa Regressar arranca. Governo dá incentivo até 6500 euros a emigrantes

Outros conteúdos GMG
China e EUA “vão anunciar trégua” na guerra comercial durante cimeira do G20