China é o segundo maior destino dos automóveis produzidos em Portugal

D.R.
D.R.

O mercado chinês é atualmente o segundo principal destino dos automóveis produzidos em Portugal, ultrapassado apenas pela Alemanha, indicou hoje a ACAP-Associação Automóvel de Portugal.

De acordo com os dados de produção no setor, divulgados pela ACAP, entre janeiro e julho deste ano a China importou 15,2% dos 108.655 veículos automóveis fabricados em Portugal nesse período, sendo ultrapassada apenas pela Alemanha (21,6%).

Ainda assim, os países da União Europeia, em conjunto, foram o principal destino da produção automóvel portuguesa, para onde seguiu 75,2% do total. França e Reino Unido foram clientes importantes, adquirindo 13,8% e 10,2%, respetivamente, do total.

No total, as exportações de automóveis aumentaram 6,2% nos primeiros sete meses deste ano, em termos homólogos, para 105.139 viaturas (96,8% da produção total).

Leia também: BCP: Economia portuguesa terá crescido 0,8% no segundo trimestre

Ainda segundo os números da ACAP, o número de veículos automóveis produzidos em Portugal registou um aumento de 7,5% entre janeiro e julho, face a igual período do ano passado. Das 108.655 unidades fabricadas, 72% (78.335) eram automóveis ligeiros de passageiros.

Tendo em conta apenas o mês de julho, a produção automóvel cresceu também 6,4% face ao mesmo mês de 2013, para um total de 17.913 unidades.

Esse acréscimo “foi determinado pelo aumento da produção de automóveis ligeiros de passageiros (mais 14,4%), uma vez que se verificaram quedas na produção de veículos comerciais ligeiros (menos 9,8% e de veículos pesados (menos 23,8%)”, destaca a associação.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
boris johnson brexit

Brexit: Um acordo que responde “às circunstâncias únicas da Irlanda”

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Outros conteúdos GMG
China é o segundo maior destino dos automóveis produzidos em Portugal