Inovação

China premeia colchão feito com garrafas de plástico

Ana e Pedro Duarte, atuais administradores da Colmol, sentados sobre o Planet. Fotografia: André Gouveia/Global Imagens
Ana e Pedro Duarte, atuais administradores da Colmol, sentados sobre o Planet. Fotografia: André Gouveia/Global Imagens

A Colmol, empresa de Cucujães, venceu um prémio de inovação na feira de Xangai com colchão revestido com tecido à base de material reciclado

Foi o único fabricante português de mobiliário na última feira setorial de Xangai, tida como a maior do mundo, e, logo na estreia naquele certame, acabou surpreendido com o Troféu Produto Inovador, atribuído por um júri internacional que reconheceu mérito ao colchão revestido com um tecido feito a partir de garrafas de plástico.

Com o colchão Planet, a Colmol, gerida pelos irmãos Pedro e Ana Duarte, pretendeu dar o seu contributo para a “consciência ambiental”, fazendo uso de garrafas recicladas que se convertem em fibra e assim entram como matéria-prima no tecido de revestimento.

Embora o processo de reciclagem do plástico e o da produção do tecido ocorram em indústrias diferentes, instaladas em Portugal, a empresa familiar de Cucujães, Oliveira de Azeméis, concebeu a ideia e a produção do colchão “sustentável”, que agora se destacou entre “centenas de concorrentes”.

A estreia na Forniture China foi meio caminho andado para a colocação do produto no mercado, uma vez que o objetivo é vendê-lo apenas no segmento da exportação, pelo menos, numa fase inicial, segundo André Soares, da área comercial da empresa. O preço ainda está sob reserva.

Neste momento, o exterior já é o principal mercado da Colmol, para onde escoa 70% da produção, distribuindo-a por 25 países. O crescimento além-fronteiras coincide com a aposta da empresa, dos últimos três anos, em participar nas feiras mundiais mais fortes do mobiliário, como as de Inglaterra, Singapura, Milão, Las Vegas, Paris ou Malásia.

O prémio obtido na China foi já a segunda distinção atribuída neste ano à empresa, depois de a Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins (APIMA) a ter agraciado, precisamente, como uma das maiores exportadoras do setor. Todo o esforço de internacionalização tem sido feito, sobretudo, com recurso a capitais próprios.

Mas, em matéria de inovação, a empresa já tem outras provas dadas ao longo dos seus 47 anos de atividade, desde que foi constituída por Manuel e Maria do Céu Duarte, pais dos atuais administradores. Segundo alegam, foram os primeiros a produzir em Portugal colchões com molas ensacadas.

Aliás, por causa dos colchões de molas, a empresa tem um pavilhão à parte para as poder produzir, o que já não acontece com os colchões de espuma, cuja matéria-prima tem de ser adquirida a fornecedores externos.

Certo é que, no total, a fábrica, com os seus 80 trabalhadores, tem uma capacidade instalada que permite produzir 750 colchões por dia.

A nova malha, certificada com o selo Repreve, que garante a sustentabilidade ambiental, surge a par de outros tecidos também usados nos colchões da empresa de Cucujães, sempre a pensar na dupla característica de “conforto e qualidade”. É o caso do revestimento feito em algodão biológico ou de outro, mais a pensar no mercado feminino, que incorpora azeite, em nome da suavidade e da hidratação da pele.

Pedro Duarte conclui que a inovação premiada na China “é o tipo de produto que a Colmol quer ter a partir de agora, alargando a filosofia da sustentabilidade a toda a linha produtiva, sem sacrificar o conforto e o bem-estar”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
China premeia colchão feito com garrafas de plástico