Internacional

China promete medidas para melhorar a competitividade

(REUTERS/Kim Kyung-Hoon)
(REUTERS/Kim Kyung-Hoon)

O ministro do Comércio da China, Zhong Shan, prometeu este sábado implementar políticas para manter estável o crescimento do comércio e melhorar a competitividade, numa altura de fricções com os Estados Unidos.

Em declarações à imprensa, à margem da sessão anual do legislativo chinês, Zhong disse que o Governo vai facilitar o comércio através de seguros de crédito à exportação, financiamento, entre outras ações, para reduzir encargos e melhorar a eficiência empresarial.

“Em geral, o comércio da China é enorme em escala, mas não suficientemente competitivo”, disse, citado pela agência de notícias estatal Xinhua.

Para melhorar a competitividade do comércio externo, o gigante asiático vai incentivar as exportações de produtos de alta tecnologia, alta qualidade e alto valor agregado.

Questionado sobre o impacto, nos próximos meses, da guerra comercial com os Estados Unidos, o ministro disse apenas esperar manter um “crescimento estável” do comércio externo em 2019.

Além disso, Pequim planeia aumentar as importações, explorar os mercados emergentes e continuar a promover a cooperação internacional através da Nova Rota da Seda.

Isto no dia em que foi conhecido que a inflação no país desacelerou pelo quarto mês consecutivo em fevereiro ao subir 1,5% em termos homólogos, face aos 1,7% registados em janeiro, de acordo com os dados oficiais divulgados hoje.

De acordo com o instituto nacional de estatística chinês, o índice de preços no consumidor (IPC) registou o seu ponto mais baixo desde janeiro de 2018, embora esteja ainda longe de uma possível deflação.

Em fevereiro, os preços dos alimentos subiram 0,7% em termos homólogos, o que representa uma descida de 1,2 pontos percentuais face a janeiro e que esteve ligada à queda de 4,8% da carne de porco, que em janeiro já tinha sofrido uma descida de 3,2%.

Em relação aos produtos não alimentares, os preços cresceram 1,7 % em fevereiro, o mesmo aumento do que o registado no mês anterior.

O aumento dos preços no setor da saúde, educação, entretenimento e arrendamento habitacional também contribuiu em 1,34 pontos percentuais para a taxa de inflação geral.

O índice de preços na produção, por sua vez, subiu 0,1% em termos homólogos no mesmo mês, mantendo-se inalterado face a janeiro, depois de ter desacelerado sete meses consecutivos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

Antonoaldo Neves, presidente executivo da TAP. Fotografia: Adelino Meireles/Global Imagens

TAP também vai avançar com pedido de layoff

Veículos da GNR durante uma operação stop de sensibilização para o cumprimento do dever geral de isolamento, na Autoestrada A1 nas portagens dos Carvalhos/Grijó no sentido Sul/Norte, Vila Nova de Gaia, 29 de março de 2020. MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Mais de 80 detidos e 1565 estabelecimentos fechados

China promete medidas para melhorar a competitividade