Guerra comercial

China vai “reduzir e eliminar” taxas sobre automóveis importados aos EUA

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.
REUTERS/Jonathan Ernst
Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. REUTERS/Jonathan Ernst

A Casa Branca já tinha anunciado que os dois países estabeleceram uma trégua comercial, que vai adiar por 90 dias o aumento das taxas alfandegárias.

O Presidente dos Estados Unidos anunciou que a China vai “reduzir e eliminar” as taxas sobre os automóveis importados aos norte-americanos, na sequência da trégua comercial de 90 dias acordada entre os líderes das duas maiores economias mundiais.

“A China concordou em reduzir e eliminar as tarifas sobre os carros que chegam à China dos EUA. Atualmente, essas tarifas são de 40%”, escreveu Donald Trumo na sua conta oficial da rede social Twitter, no domingo.

A Casa Branca já tinha anunciado que os dois países estabeleceram uma trégua comercial, que vai adiar por 90 dias o aumento das taxas alfandegárias norte-americanas impostas sobre importações chinesas, depois de Donald Trump e Xi Jinping chegaram a acordo durante um jantar, no final da cimeira do G20, que decorreu entre sexta-feira e sábado, em Buenos Aires.

A administração norte-americana tinha anunciado que as taxas alfandegárias sobre importações chineses no valor de 200 mil milhões de dólares iam aumentar de 10% para 25% no início do próximo ano e Trump estava a considerar alargar o número de bens chineses que iriam sofrer esse aumento.

A Casa Branca acrescentou que se os dois lados não chegarem a acordo no prazo de 90 dias, então o aumento das taxas alfandegárias será aplicado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
(Fotografia: Pedro Granadeiro / Global Imagens )

Vendas de carros descem 71,6% em maio

O primeiro-ministro, António Costa. Fotografia: António Cotrim/Lusa

PIB pode registar quebra entre 9% a 15% em 2020

Lisboa, 25/05/2016 - Aspecto do Palco Mundo, durante uma reportagem do Diário de Notícias sobre o que acontece nos dias em que no Festival Rock in Rio não há concertos.

( Gustavo Bom / Global Imagens )

APSTE: Setor dos eventos com prejuízos de 20 milhões no segundo trimestre

China vai “reduzir e eliminar” taxas sobre automóveis importados aos EUA