Seca

Chuva atual não chega para resolver problema da seca

IMAGEM DE ARQUIVO|PEDRO MENSURADO/GLOBAL IMAGENS
IMAGEM DE ARQUIVO|PEDRO MENSURADO/GLOBAL IMAGENS

1,1 mil milhões de euros será o prejuízo do setor agrícola devido à seca. A chuva destes dias não chega para resolver o problema.

A chuva que tem persistido no território nacional nos últimos dias não chega para resolver o problema da seca que Portugal enfrenta. Ainda que a precipitação que tem ocorrido alivie pontualmente o problema da secura dos solos “não é ainda suficiente para acabar com a situação de seca no território do continente”, esclareceu ao Diário de Notícias o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Segundo a especialista do IPMA, Vanda Cabrinha, para que a seca termine é necessário que haja precipitação acima da média durante os meses de março e abril. “A precipitação média para o mês de março é de 61 milímetro mas para deixarmos de estar em seca era preciso que fosse cerca do dobro neste mês, com a precipitação distribuída ao longo das semanas e por todo o território continental, e que em abril também chovesse pelo menos a média que é de 7,9 milímetros”, adianta.

No último boletim do IPMA sobre a seca, a 15 de fevereiro, foi registado um “agravamento da intensidade da situação de seca em relação ao final de janeiro”. A precipitação entre 1 e 15 de fevereiro correspondeu apenas a 35% do valor médio para aquela quinzena.

Prejuízos da seca

Devido à seca que assola o país, mais de metade da área irrigável de Portugal não poderá ser regada este ano o que representará um prejuízo de mais de 1,1 mil milhões de euros no saldo da balança comercial no setor agrícola, que grega 150.000 empresas agrícolas responsáveis por 175.000 postos de trabalho diretos, alertou a Federação Nacional de Regantes de Portugal (Fenareg).

No ano passado a área regada reduziu 30% e, este ano, a Fenareg prevê que mais de 50% da área irrigável não possa ser regada.

O boletim das albufeiras da Autoridade Nacional do Regadio, emitido no início de fevereiro, revela que atualmente as reservas de água se situam nos 36%, após quatro ano de precipitação inferior à média.

Leia também: 6 passos para escapar rapidamente às dívidas

A Fenareg alertou, também em fevereiro, para urgência de medidas compensatórias aos agricultores pelo agravamento de custos com a rega e lembrou que apresentou ao Ministério da Agricultura, em novembro de 2017, uma proposta de medidas neste sentido e com vista a ajudar os agricultores “a minimizar os efeitos da pior seca dos últimos 20 anos”.

Chuva vai continuar até domingo

As condições para a ocorrência de precipitação vão manter-se nos próximos dias tanto no continente como nas ilhas. Nos últimos dias têm havido aguaceiros fortes e queda de neve acima dos 600 metros na região norte, a que se juntaram ainda ventos e agitação marítima fortes, condições meteorológicas que acabaram por estar na origem de cerca de 500 ocorrências no território continental, com quedas de árvores e corte de vias devido à neve que caiu no norte e no centro do país.

Várias escolas encerraram devido à neve nos distritos de Viseu, Bragança e Vila Real. Em Bragança pelo menos 12 viaturas ficaram danificadas.

 

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Carlos Costa, governador do Banco de Portugal.
(Ângelo Lucasl / Global Imagens )

Costa pede mais reformas a Costa

Illu - Site-02

Viagens ao espaço deixam turismo com a cabeça na Lua

Illu - Site-02

Viagens ao espaço deixam turismo com a cabeça na Lua

Outros conteúdos GMG
Chuva atual não chega para resolver problema da seca