OE2018

CIP reclama descida do IRC e da tributação autónoma

António Saraiva, presidente da CIP
António Saraiva, presidente da CIP

A CIP quer que o próximo Orçamento do Estado inclua uma descida do IRC de 21% para 19% e um desagravamento da tributação autónoma.

A Confederação Empresarial de Portugal (CIP) quer que o próximo Orçamento do Estado inclua medidas que incentivem o investimento e promovam a produtividade. Neste contexto, defende uma descida da carga fiscal e uma simplificação do sistema tributário e também uma forte aposta na qualificação das pessoas (trabalhadores e desempregados).

Ao nível da fiscalidade, as propostas da confederação presidida por António Saraiva, defendem uma descida da taxa do IRC dos atuais 21% para 19% – um valor que chegou a estar previsto na reforma deste imposto que entrou em vigor em 2014 mas que acabou por ser travado. A CIP acentua que nos últimos 20 anos, o país assistiu a um agravamento da carga fiscal, o que acaba por retirar brilho à atratividade da economia nacional, e a par daquela descida da taxa do imposto que incide sobre o lucro das empresas pede também uma redução da tributação autónoma.

Esta tributação autónoma acaba por atuar como uma espécie de IRC paralelo, e sofreu vários agravamentos nestes últimos anos, e a CIP defende que se aproveite este OE para atenuar alguns dos aspetos mais gravosos da tributação autónoma, através de uma redução das taxas dos gastos ou encargos relativos a bónus e outras remunerações variáveis e dos encargos com a compra de viaturas.

Ainda no domínio da fiscalidade, o conjunto de propostas divulgado esta quinta-feira pela CIP, defende a recuperação da eliminação das derramas (também previsto na referida reforma) deixando deslizar o ano limite de 2018 para 2019 e a sujeição à derrama estadual de empresas com lucro superior a 5 milhões de euros. No regime que agora vigora, esta derrama entra em campo quando os lucros superam a barreira de 1,5 milhões de euros.

Ao mesmo tempo, a CIP defende a subida do patamar de matéria coletável que está sujeito a uma taxa reduzida de IRC (de 17%). Atualmente, este limite está balizado nos 15 mil euros, sendo que o remanescente paga 21%. A proposta é que os 17% passem a ser aplicados até aos primeiros 50 mil euros.

Os últimos Orçamentos do Estado têm agravado as taxas dos impostos especiais sobre o consumo. Tabaco, álcool, combustíveis têm sido alguns dos produtos mais castigados a este nível, mas a confederação empresarial de Portugal entende que 2018 não deve prosseguir esta linha de atuação e reclama a não introdução de “novas taxas, contribuições e impostos especiais sobre o consumo”.

Neste contexto, a CIP sublinha a necessidade de se promover uma verdadeira estabilidade fiscal e lembra que a junção de uma carga fiscal elevada com instabilidade põe em causa o investimento e a competitividade (das empresas e do país enquanto destino de investimento estrangeiro). Para ilustrar esta leitura, recorre a estudos que mostram que entre 1989 e 2014, o código do IRC viu os seus artigos serem alterados 728 vezes, tendo ainda sido produzidos 102 diplomas.

Ao nível da qualificação, a CIP defende que os investimentos das empresas em requalificação dos seus trabalhadores sejam dedutíveis aos resultados sujeitos a IRC em 150%.

O caderno de proposta da CIP dedica três linhas ao salário mínimo, sublinhando que a sua evolução deve ocorrer em linha com os critérios objetivos que constam do acordo de concertação social, nomeadamente ao nível da inflação, produtividade, competitividade e emprego.

Mais extensas são as propostas relativas aos custos energéticos e de contexto, com o CIP a exigir que se dê resposta à morosidade, custos e tramitação das execuções, no primeiro caso, e que se confira prioridade nacional à eficiência energética.

A redução dos prazos com que o Estado paga às empresas e a questão do acesso ao crédito – à luz da excessiva dependência do crédito bancário e dos rácios de incumprimento com que os bancos têm de lidar – integram também o leque de matérias que integram o conjunto de propostas da CIP.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
CIP reclama descida do IRC e da tributação autónoma