Greve comboios

“Fortes perturbações” nos comboios suburbanos de Lisboa e Porto diz sindicato

(Fotografia: Maria João Gala/ Global Imagens)
(Fotografia: Maria João Gala/ Global Imagens)

A circulação dos comboios suburbanos de Lisboa e Porto está a sofrer “fortes perturbações” devido à greve de 24 horas do setor ferroviário, disse à Lusa fonte sindical

A circulação dos comboios suburbanos de Lisboa e Porto está a sofrer “fortes perturbações” devido à greve de 24 horas do setor ferroviário, disse à Lusa fonte sindical, adiantando ainda que os de longo curso “estão suprimidos”.

“Tudo quanto é longo curso está suprimido e deve ser o cenário ao longo do dia. Ao nível dos regionais suburbanos de Lisboa e Porto há fortes perturbação, a própria CP admitiu que não conseguir fazer metade dos comboios na zona da grande Lisboa”, disse à Lusa José Manuel Oliveira, da Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (FECTRANS).

Anteriormente, a Infraestruturas de Portugal (IP) tinha informado que no que respeita aos “comboios urbanos de Lisboa, estão a ser asseguradas 100% das circulações para as ligações com destino a Sintra, Meleças, Castanheira e Cascais, assim como entre o Barreiro e Praias do Sado”.

O protesto de trabalhadores da CP-Comboios de Portugal, Infraestruturas de Portugal (IP) e Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário (EMEF) visa reivindicar a aplicação dos acordos assinados com o Governo e administrações das empresas.

De acordo com José Manuel Oliveira, na conjugação geral dos trabalhadores das várias empresas que estão em greve “há uma forte adesão, igual aos últimos protestos”.

Segundo o sindicalista, nas variadas estruturas IP, na CP e na EMEF a adesão à greve “é elevada” sendo que, em “alguns casos, é até superior o nível de adesão dos trabalhadores”.

Em relação à IP, na componente ferroviária, a adesão é “muito igual às últimas greves”, de acordo com José Manuel Oliveira, adiantando a existência de cabines de circulação e estações encerradas, bem como passagens de nível desguarnecidas.

Na CP, ao nível do serviço comercial, aquele que é mais visível para o público, “as grandes estações estão encerradas”, sublinhou o sindicalista.

Já na EMEF, José Manuel Oliveira avança que as oficinas “ou estão encerradas ou estão a funcionar com os trabalhadores mais jovens que entraram recentemente para a empresa”.

Em relação à FERTAGUS, operador privado que serve atualmente 14 estações numa extensão de linha com cerca de 54 km, o serviço “não foi afetado pela greve, tendo sido efetuados todos os comboios previstos”, de acordo com fonte da empresa.

A FERTAGUS serve as estações de Setúbal, Palmela, Venda do Alcaide, Pinhal Novo, Penalva, Coina, Fogueteiro, Foros de Amora, Corroios e Pragal, na margem sul e quatro na margem norte: Campolide, Sete Rios, Entrecampos e Roma-Areeiro.

Em tribunal arbitral nomeado pelo Conselho Económico e Social (CES) foi decidido que não haveria serviços mínimos, além dos definidos por lei, ou seja, circulam até ao seu destino os comboios em marcha à hora do início da greve, os comboios socorro e os de transporte de mercadorias perigosas.

Na quarta-feira, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, manifestou, em Bragança, a disponibilidade do Governo para negociar com os ferroviários.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dos blueprints  dos primeiros automóveis, ao topo dos carros elétricos atuais, de elon Musk, em homenagem, a Nikolas Tesla.
Ilustração: VITOR HIGGS

Automóvel. Em 20 anos do euro mudou tudo, menos a carga fiscal e o líder

A EDP, liderada por António Mexia, vai pagar o maior cheque de dividendos da bolsa nacional.

PSI20. Menos lucros mas o mesmo prémio aos acionistas

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços.
(Jorge Amaral/Global Imagens)

Vieira Lopes: “Metas do governo são realistas mas é preciso investimento”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
“Fortes perturbações” nos comboios suburbanos de Lisboa e Porto diz sindicato