Ambiente

Clima: 66 países já aderiram à neutralidade carbónica em 2050

ambiente

Países têm como objetivo não emitir mais gases com efeito de estufa do que aqueles que se conseguem absorver.

A ONU anunciou hoje, pouco antes do início da Cimeira da Ação Climática em Nova Iorque, que 66 Estados aderiram até agora ao objetivo de neutralidade carbónica em 2050.

Os 66 países juntam-se a 10 regiões, 102 cidades e 93 empresas, unidos no objetivo de atingir a neutralidade (não emitir mais gases com efeito de estufa do que aqueles que se conseguem absorver) até meados do século, um objetivo fixado pelos cientistas para conter o aquecimento global.

O Acordo de Paris, alcançado em dezembro de 2015, estipula que os países têm de tratar de conseguir que o aumento global das temperaturas seja inferior a 2.º celsius (na pior das hipóteses, porque o ideal é impedir um aumento superior a 1,5 graus), em relação aos valores médios do século XIX, na era pré-industrial. Até agora a Terra já está um grau mais quente que esses valores de referência.

“A emergência climática é uma corrida que estamos a perder, mas que podemos vencer”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, que convocou a cimeira e que também convidou a jovem ativista sueca Greta Thunberg, conhecida mundialmente pela iniciativa de greves estudantis contra a inação dos governos face às alterações climáticas.

Entre outros anúncios, a ONU disse que 68 países se comprometeram a rever oficialmente os seus planos de ação climática até ao próximo ano, quando os 195 signatários do acordo de Paris devem apresentar novos compromissos.

Há também 30 países que estão agora a unir-se numa aliança que promete parar a construção de centrais elétricas alimentadas a carvão a partir de 2020.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Bruxelas agrava projeção de contração em Portugal para 9,8%

Comissão Europeia, Bruxelas (REUTERS)

Bruxelas revê estimativas. Economia da zona euro deverá recuar 8,7% em 2020

Mário Centeno


TIAGO PETINGA/LUSA

Centeno defende repensar das regras da dívida e do défice na UE

Clima: 66 países já aderiram à neutralidade carbónica em 2050