CMVM volta a prolongar proibição de vendas a descoberto das ações do BES

CMVM extende proibição de vendas a descoberto das ações do BES
CMVM extende proibição de vendas a descoberto das ações do BES

As vendas a descoberto das ações do Banco Espírito Santo (BES) vão permanecer proibidas por mais um dia, anunciou hoje a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).É a quarta sessão consecutiva.

A extensão da proibição temporária de vendas a descoberto, que já esteve ativa durante toda a sessão de sexta-feira, quando a CMVM anúnciou que manteria a proibição segunda e terça – está previsto nos regulamentos comunitários um período máximo de dois dias, podendo ser acionado em caso de “diminuição significativa do respetivo preço em momento posterior à implementação da restrição inicial”, lê-se no comunicado da CMVM.

O BES fechou ontem a cair 15%, para 0,38 euros, num dia em que as ações ainda recuperaram com o comunicado de Vítor Bento aos trabalhadores (leia mais aqui), mas voltaram a cair durante a tarde.

O limiar para a cláusula ativada pela CMVM poder ter efeito corresponde a uma diminuição de 5% ou mais no preço das ações em causa, em relação ao preço de fecho do dia de negociação anterior àquele em que a restrição inicial foi implementada.

Leia também: Almofada financeira do BES é superior à exposição ao GES

E, ainda segundo as normas da União Europeia, a flutuação do preço das ações em causa não pode excluir a ocorrência de um fenómeno de especulação com impacto negativo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A administradora delegada da Media Capital, Rosa Cullell (E), acomapnhada pelo CEO da Altice Media, Alain Weill (2-E), do CEO do Grupo Altice, Michel Combes (2-D), e do Chairman e CEO da Portugal Telecom, Paulo Neves (D), fala durante uma conferência de imprensa sobre a compra da Altice sobre o grupo Media Capital,. Fotografia: ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Compra da TVI pelo Meo pode “criar entraves significativos à concorrência”

O ministro das Finanças, Mário Centeno (E), acompanhado por Carlos Tavares (D), antigo presidente da CMVM, durante a sessão de apresentação pública do relatório do Grupo de Trabalho para a Reforma do Modelo de Supervisão Financeira. (ANDRÉ KOSTERS/LUSA)

Belém e Parlamento terão de validar novo governador do Banco de Portugal

Cristina Casalinho, presidente do IGCP. Fotografia: Diana Quintela/Global Imagens

Casalinho quer alongar pagamento da dívida para evitar picos de reembolsos

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
CMVM volta a prolongar proibição de vendas a descoberto das ações do BES