Impostos

Cobrança coerciva do Fisco aumentou 27% em 2018

Férias no fisco

Este é o melhor resultado que o Fisco conseguiu desde 2010, excluídos os anos em que esta cobrança foi aumentada devido a perdões fiscais.

Em 2018, o Fisco cobrou 1.065,7 milhões de euros de forma coerciva. O valor consta na conta provisória do Estado, publicada a 11 de fevereiro pela Direção-Geral do Orçamento (DGO). O aumento face ao ano anterior foi de 26,7%, escreve o Jornal de Negócios, esta sexta-feira.

O valor ainda pode sofrer alterações com o apuramento dos números definitivos, no âmbito da Conta Geral do Estado, uma vez que ainda falta somar a este valor a cobrança feita pela Segurança Social.

Segundo o mesmo jornal, este é o melhor resultado que o Fisco conseguiu desde 2010, excluídos os anos em que esta cobrança foi aumentada devido a perdões fiscais. Em 2013, o Fisco arrecadou 1.555,6 milhões de forma coerciva e em 2016 conseguiu 1.260,5 milhões.

Esta subida poderá ter sido resultado de um esforço maior para recuperar impostos em dívida ou mesmo do reflexo do aumento expressivo da receita total de impostos. De acordo com a síntese de execução orçamental da DGO, a receita fiscal do Estado cresceu 4,9% no ano passado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, conversa com Teresa Leal Coelho (ausente da foto), presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, durante a audição na Assembleia da República, Lisboa, 21 de março de 2019.  ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Ramalho: “DG Comp não tem particular simpatia pelos bancos portugueses”

António Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista Montepio Geral

( Gustavo Bom / Global Imagens )

ASF inicia processo de avaliação da idoneidade de Tomás Correia

Rodrigo Costa, CEO da REN Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Rodrigo Costa: “Já pagámos 127,5 milhões” de CESE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Cobrança coerciva do Fisco aumentou 27% em 2018