aviação

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA
Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

A Groundforce opera diariamente em Lisboa 55 mil passageiros, 400 toneladas de carga e 150 aviões.

O aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, está a operar no limite da capacidade da sua infraestrutura. O aviso foi deixado por Paulo Neto Leite, presidente executivo da Groundforce, e por isso a empresa de handling (assistência em terra) afirma ter zero margem para erros e imprevistos, que custam caro às contas. “O maior constrangimento que o aeroporto tem é ter-nos tirado essa margem de manobra para quando há atrasos nos voos e outras falhas, porque estamos a levar a infraestrutura ao limite. Estas são as condições em que trabalhamos”, afirmou o responsável. A atividade diária da Groundforce em Lisboa abrange 55 mil passageiros, 400 toneladas de carga e 150 aviões.

“Os constrangimentos e cancelamentos têm impacto nas contas da empresa. Nós estamos preparados para os movimentos que estão previstos. Se há voos cancelados temos de garantir alojamento às pessoas, e tudo isso vai somando prejuízos. Por isso dotámo-nos de mais equipamentos para podermos responder mais rapidamente e investimos em pessoas mais preparadas para operar novas tecnologias, permitindo que o processo seja o melhor possível num aeroporto que está em crescimento”, disse o CEO. “No ano passado investimos 6,6 milhões de euros, em equipamento [4,7 milhões] e em tecnologia [1,1 milhões]. Este ano vamos investir 2,85 milhões de euros para melhorar as condições de quem viaja e de quem trabalha. E há 10 mil pessoas a trabalhar no aeroporto de Lisboa”, sublinhou.

Na visão de Paulo Neto Leite, há investimentos que podem, e devem, ser feitos já na Portela pela ANA – Aeroportos de Portugal, como, por exemplo, no conforto das pessoas que trabalham no aeroporto, no pavimento das pistas e áreas circundantes onde a empresa opera, e que apresentam muitas fissuras e juntas que prejudicam os equipamentos da Groundforce. E dá um exemplo: um pushback (veículo que permite empurrar o avião até uma posição em que possa deslocar-se para a frente, já que as aeronaves não têm marcha-atrás) custa 300 mil euros, um ativo da empresa que dá prejuízo se ficar danificado ou inativo por voos atrasados ou cancelados. “Há muito investimento que a ANA poderá fazer ainda na Portela, antes mesmo de começar a pensar no Montijo, que só estará operacional em 2021/2022”, refere o responsável.

Os investimentos estão aprovados, falta pô-los em prática. Segundo o acordo assinado recentemente, do total de 1,15 mil milhões de euros suportados pela ANA, serão aplicados 650 milhões de euros na atual infraestrutura de Lisboa e 520 milhões de euros para abrir a base aérea do Montijo ao uso civil. Serão ainda investidos 156 milhões de euros na melhoria das acessibilidades entre os dois aeroportos e na compensação à Força Aérea Portuguesa.

“Estamos mais entusiasmados com o investimento na infraestrutura do aeroporto Humberto Delgado do que com o Montijo, porque é com ela que temos de viver todos os dias. Nós estamos em 2019, se movimentarmos 30 milhões de passageiros em Lisboa por ano, até o Montijo estar a operar, ainda vão passar 90 milhões de pessoas neste aeroporto, e nós temos de conseguir fazer o nosso trabalho nas melhores condições”, sublinha ainda o presidente da Groundforce, acrescentando: “Vemos de forma muito positiva o investimento no aeroporto da Portela. Têm sido feitas melhorias ao nível do terminal de bagagens, que cada vez chegam mais rápido aos tapetes, no espaço de seis a sete minutos, no máximo”.

Sobre o Montijo, Paulo Neto Leite diz que a Grounforce irá operar no futuro aeroporto, mas que “não existe ainda nada pensado”. Em 2018 a empresa venceu o concurso internacional de atribuição das licenças de atividade nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro para os próximos sete anos. “Ainda não temos estratégia para o Montijo, isso depende muito das companhias que lá vão operar. Ainda é cedo”.

E remata: “Nós planeamos os recursos com um ano de antecedência. Um ano antes do Montijo operar eu vou ter de saber que voos e slots estão previstos. Aí vamos poder dimensionar equipamentos e pessoas. Até lá estamos concentrados na Portela”.

Groundforce aposta na Portela e contrata mais 260 pessoas em 2019

O presidente executivo da Groundforce anunciou ontem que vai contratar mais cerca de 260 pessoas ao longo de 2019, um aumento de 6% face ao ano passado. Já em 2018 a empresa responsável por toda a operação de assistência em terra nos aeroportos de Lisboa, Porto, Faro, Funchal e Porto Santo contratou 360 novos trabalhadores, o que equivaleu a um crescimento de 12%.

Para além das contratações já previstas para este ano, poderá haver depois “um reforço em função da evolução dos movimentos do verão”, disse o responsável durante uma visita guiada aos bastidores da operação da empresa no Aeroporto de Lisboa.

“Deveremos chegar ao fim do ano com 3600 pessoas a trabalhar para a Groundforce. No ano passado ingressaram nos quadros 360 pessoas, um crescimento de 12%, e este ano devemos crescer 6% no número de pessoas. É um esforço contínuo. Não só em Lisboa, mas também no Porto, que foi o aeroporto que mais cresceu percentualmente, porque tem cada vez mais voos internacionais”.

Em 2017 a empresa apresentou resultados de 8,7 milhões de euros, com uma quota de mercado de 60%. Isso permitiu pagar um prémio de distribuição de lucros aos trabalhadores no valor de 1,1 milhões de euros. Questionado pelo Dinheiro Vivo, o responsável referiu ainda que os resultados de 2018 ainda não estão finalizados, mas deverão ser apresentados em breve, no mês de março, e garante uma melhoria por comparação com o ano anterior, graças ao crescimento da atividade (5,3%), melhorias de processos e otimização de toda a cadeia operacional.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, João Proença, durante a sua audição na Comissão de Saúde, na Assembleia da República, em Lisboa, 27 de fevereiro de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

ADSE já enviou novas tabelas de preços aos privados para negociação

Mario Draghi, Presidente do Banco Central Europeu. REUTERS/Kai Pfaffenbach

BCE discutiu pacote de medidas para estimular economia na reunião de julho

Hotéis de Lisboa esgotaram

“Grandes” eventos impulsionaram aumento dos preços na hotelaria em junho

Outros conteúdos GMG
Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já