Petróleo

Preços dos combustíveis devem continuar a descer

Gasóleo

A guerra comercial entre os EUA e a China é um dos fatores que pressionam as cotações internacionais do petróleo.

Os combustíveis registaram, esta semana, a maior descida nos últimos cinco anos, acima de sete cêntimos por litro na gasolina e quatro cêntimos no gasóleo, e a tendência é para continuar, mas de forma menos acentuada, acredita Pedro Lino, da Dif Broker.

O corretor lembra que a queda do preço do petróleo nos mercados internacionais tem sido “o grande responsável” pelas mexidas sentidas pelos consumidores. É que os stocks americanos “estão a subir” e a guerra comercial entre os EUA e a China e a incerteza em torno do crescimento da economia mundial “estão a pressionar os preços”. “Esta tendência deve continuar nos próximos meses”, argumenta, mas “os alívios, infelizmente, terão menor dimensão”.

A subir continuamente desde o início do ano, a cotação do petróleo nos Estados Unidos começou, no final de abril, a sua trajetória de correção. Até aos dias de hoje. Em causa está, diz Pedro Amorim, da corretora financeira Infinox, a redução acentuada das exportações venezuelanas, mas, também, o regresso das sanções ao Irão.

Mais, o conflito comercial entre os Estados Unidos e a China e a incerteza que cria não está a ajudar. Na quarta-feira foi conhecido que as reservas de petróleo nos Estados Unidos voltaram a subir pela segunda semana consecutiva, mostrando que há um excedente de oferta em relação à procura. A consequência imediata foi a queda, a pique, do preço do crude nos mercados, que chegou a transacionar abaixo dos 51 dólares por barril.

Mas hoje, a notícia do ataque a dois petroleiros no Golfo de Omã , fez subir, mais de 4%, os preços do barril de petróleo. As cotações acabaram por baixar ao longo do dia, mas, ao final da tarde, os preços mantinham-se em alta face à véspera, negociando o Brent acima dos 61 dólares o barril na Bolsa de Londres e acima dos 52 dólares na Bolsa de Nova Iorque. Recorde-se que cerca de 20% de todo o petróleo comercializado no mundo passa pelo Golfo de Omã.

Para o final do mês de junho está agendada a reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e produtores aliados que irá analisar a evolução do mercado. A Arábida Saudita já fez saber da sua vontade de manter os cortes de produção, pelo menos até ao final do ano, e Pedro Amorim, da Infinox, assume que essa venha a ser a decisão, levando os preços dos combustíveis “a subir novamente”.

Lembre-se que, no ano passado, a organização e seus aliados, incluindo a Rússia, acordaram numa redução, a partir de janeiro, da oferta em 1,2 milhões de barris por dia no primeiro semestre do ano. O problema é que a produção nos Estados Unidos continuou a crescer, numa altura em que o abrandamento económico aponta para uma redução na procura.

Enquanto se aguarda pela reunião da OPEP – está agendada para 25 e 26 de junho, embora a Rússia pretenda adiá-la para 3 e 4 de julho, pretensão apoiada pela Arábia Saudita, mas já recusada pelo ministro iraniano do Petróleo -, a organização divulgou hoje o seu relatório mensal, que aponta para um crescimento da procura mundial de petróleo em 1,14 milhões de barris por dia, um valor 1,2% abaixo da projeção anterior.

A culpa é da guerra comercial. “Ao longo da primeira metade do ano, as tensões comerciais escalaram resultando num crescimento mais fraco na procura global de petróleo”, pode ler-se no relatório, citado pela agência Bloomberg. A OPEP destaca, ainda, que “o abrandamento da economia global observado no primeiro semestre será, ainda, mais desafiado no segundo semestre”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Greve de motoristas de matérias perigosas parou o país, em abril. 
(MÁRIO CRUZ/LUSA

Nova greve dos camionistas dia 12. Pré-aviso já foi entregue

Assunção Cristas e Bruno Bobone, na sede da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa, nos Restauradores
(ANTÓNIO COTRIM/LUSA)

Cristas apela a empresários para darem mais força à oposição

Assunção Cristas e Bruno Bobone, na sede da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa, nos Restauradores
(ANTÓNIO COTRIM/LUSA)

Cristas apela a empresários para darem mais força à oposição

Outros conteúdos GMG
Preços dos combustíveis devem continuar a descer