combustíveis

Combustíveis rodoviários subiram entre 3% e 7% em janeiro

Fotografia: Pixabay
Fotografia: Pixabay

Aumentos de incorporação de biocombustíveis e da taxa de carbono explicam grande parte da subida dos preços, segundo a ERSE.

Os preços dos combustíveis em Portugal sofreram um agravamento médio em janeiro entre 3% e 7%, face a dezembro de 2019, segundo um boletim acerca deste mercado publicado pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

No documento, o regulador explicou que “os preços médios de venda ao público dos combustíveis em Portugal sofreram um agravamento, sobretudo por via dos esperados aumentos de incorporação de biocombustíveis e da taxa de carbono”.

Assim, de acordo com a informação no boletim, “o ano de 2019 encerrou com o preço da gasolina simples 95 a manter-se estável em 1,524 euros/litro. No início do ano 2020, o preço médio de venda ao público (PVP) aumentou cerca de 3%”, para 1,569 euros/litro.

Já no caso do gasóleo simples, 2019 encerrou “em tendência crescente”, registando uma subida de 1% entre novembro e dezembro, para 1,408 euros/litro.

“No início do ano 2020, o preço médio de venda ao público aumentou de forma mais acelerada em cerca de 3,4%”, atingindo os 1,456 euros/litro, de acordo com a ERSE.

A maior subida foi no GPL (Gás de Petróleo Liquefeito) Auto, sendo que 2019 encerrou “com uma tendência crescente, acompanhando a evolução do preço do propano e butano nos mercados internacionais”.

No início do ano 2020, “o preço médio de venda ao público aumentou de forma mais acelerada em cerca de 7%”, atingindo os 0,728 euros/litro, face aos 0,681 euros/litro de dezembro.

Em todos estes combustíveis, os hipermercados é que registaram os preços mais competitivos, de acordo com a ERSE.

O regulador analisou ainda a variação de preços geográfica a nível nacional e concluiu que, “em janeiro, a diferença de valor entre o preço médio nacional e o preço médio nos distritos portugueses para a gasolina simples 95 e gasóleo simples é mais elevada nos distritos do litoral, à exceção de Aveiro, Braga e Coimbra”.

De acordo com a ERSE, “Beja e Bragança são os distritos onde os combustíveis rodoviários se verificaram mais caros face ao preço médio nacional”.

Já Aveiro, Braga, Santarém e Castelo Branco “são os distritos com gasolinas e gasóleos mais baratos. Em mais de metade dos distritos, a diferença de preços médios por litro de combustível não ultrapassa os cinco cêntimos”, adiantou a ERSE.

No caso do GPL engarrafado, no mês passado, “a diferença de valor entre o preço médio nacional e o preço médio nos distritos, principalmente a sul de Portugal, é mais pronunciada, sendo o gás engarrafado mais caro, sobretudo nos distritos de Faro e Beja”.

Por sua vez, “os distritos mais a norte do país, como Viana do Castelo, Vila Real e Bragança apresentam os preços de GPL engarrafados mais baratos”, sendo que os distritos interior mais próximos de Espanha também registaram preços mais baixos, segundo a ERSE.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

Algarve, Portugal. Fotografia: D.R.

Algarve lança campanha. “Fiquem em casa para regressarem com mais saudade”

Veículos da GNR durante uma operação stop de sensibilização para o cumprimento do dever geral de isolamento, na Autoestrada A1 nas portagens dos Carvalhos/Grijó no sentido Sul/Norte, Vila Nova de Gaia, 29 de março de 2020. MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Mais de 80 detidos e 1565 estabelecimentos fechados

Combustíveis rodoviários subiram entre 3% e 7% em janeiro