greve

Combustíveis vão ser repostos nestes postos ainda esta tarde

gasoline-175122_1920-e155-63a8d24720146103694f96382016025e6858f0d7

O dirigente do SNMMP garantiu que a carga que já vai a caminho deverá ser suficiente para assegurar os serviços mínimos negociados com o Governo.

O presidente do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) garantiu, em declarações à SIC Notícias, que já saíram de Aveiras mais camiões-cisterna para abastecer alguns postos na zona de Lisboa.

Assim, durante esta tarde, o combustível será reposto na BP do Restelo, na Galp do Aeroporto Humberto Delgado, nas Repsol de Alcoitão e Benfica e nas Prio de Oeiras, Damaia e A16 de Ranholas.

A greve dos motoristas de matérias perigosas, que começou às 00:00 de segunda-feira, foi convocada pelo SNMMP, por tempo indeterminado, para reivindicar o reconhecimento da categoria profissional específica. Na terça-feira, alegando o não cumprimento dos serviços mínimos decretados, o Governo avançou com a requisição civil, definindo que até quinta-feira os trabalhadores a requisitar devem corresponder “aos que se disponibilizaram para assegurar funções em serviços mínimos e, na sua ausência ou insuficiência, os que constem da escala de serviço”.

No final da tarde de terça-feira, o Governo declarou a “situação de alerta” devido à greve, avançando com medidas excecionais para garantir os abastecimentos e, numa reunião durante a noite com a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) e o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas, foram definidos os serviços mínimos.

As reuniões serão retomadas esta quarta-feira, desta vez com entre o ministro do trabalho, Vieira da Silva, representantes do SNMMP e da ANTRAM.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Ministro da Economia Pedro Siza Vieira, no Roteiro Automóvel, visitou a PSA e conduziu um dos carros fabricados em Mangualde.  (João Silva / Global Imagens )

Governo quer choque elétrico nas fábricas de automóveis

Ana Jacinto, secretária-geral da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) antes de uma entrevista, esta manhã nos estúdios TSF.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Ana Jacinto. Hotelaria e restauração precisam de mais de 40 mil trabalhadores

despedimentos coletivos

Despedimentos coletivos voltam a subir em 2019 e arrasam no Norte

Combustíveis vão ser repostos nestes postos ainda esta tarde