Comissão: Portugal passa a nono país mais pobre da União

Pedro Passos Coelho e Olli Rehn
Pedro Passos Coelho e Olli Rehn

A economia portuguesa deverá crescer entre 1% e 1,3% este ano, revelou ontem Olli Rehn, comissário dos assuntos económicos, mas tal não impedirá o país de continuar o seu declínio entre os pares europeus. A riqueza média por habitante em Portugal, corrigida pelo poder de compra, cairá de 75,2% da média europeia (28 países) em 2013 para 74,8% em 2014.

Portugal, dizem as previsões de inverno de Bruxelas, ontem divulgadas, passa a ser, segundo aquele indicador, o nono país mais pobre face ao nível médio da União Europeia (28 países). Será ultrapassado pela Lituânia (76,6% da riqueza europeia média), tendo a Estónia já no seu encalço. Piores que os portugueses apenas ficam oito parceiros comunitários. Do mais para o menos pobre são: Bulgária, Roménia, Croácia, Hungria, Polónia, Letónia, Grécia e Estónia.

Nos lugares cimeiros do ranking surgem Luxemburgo (riqueza per capita em 261,5% da média europeia) e Áustria (129,6%).

Leia também: Rehn apela a consenso político pós-troika

O indicador do PIB a preços correntes por habitante, corrigido pelo poder de compra de cada país e medido face ao conjunto dos 28 membros da União, é um dos principais indicadores que medem a convergência ou a divergência de um país face aos restantes parceiros europeus.

Portugal, mesmo depois do programa de ajustamento, continuará a afastar-se dos parâmetros da União, diz a Comissão. Em 2015, já com a economia a crescer 1,5% e o desemprego a aliviar dos máximos históricos, o indicador que mede a riqueza média individual cairá novamente para 74,6% da média europeia. Será o pior da série da Comissão, que remonta a 1995.

A história recente é algo sombria neste tema. Depois de um pico de 81,5% em 1999, Portugal encetou um processo de empobrecimento e de divergência acentuado até 2004. Depois, com alguns altos e baixos, recuperou até 80,2% em 2010. Desde então a descida foi vertiginosa.

A Comissão, no seu estudo semestral sobre as economias europeias, mostra que a retoma prevista para Portugal, assim como para muitos outros países, é pouco ou nada rica em criação de emprego e muito débil em termos do investimento privado. O investimento público pior ainda, uma vez que está constrangido pelo programa de ajustamento e pela disciplina orçamental.

A retoma surge assim sobretudo assente em exportações (a Comissão mantém, para já, um crescimento de 0,8% para este ano, igual ao da décima avaliação), ritmo que é claramente insuficiente para acompanhar a evolução média europeia. Esta reflete a posição mais saudável ou dinâmica das grandes economias, sobretudo a Alemanha e outras nações do norte e do centro da Europa.

Por isso Portugal continua em divergência, em processo de empobrecimento relativamente aos seus pares. Países como a Lituânia e Estónia destacam-se pela velocidade das repetivas retomas.

Ainda assim, Bruxelas elogia Portugal e Espanha pela “limpeza” que os países fizeram durante o período de crise, reafetando recursos das atividades menos produtivas para os sectores mais virados ao exterior (transacionáveis), o que levará a que o crescimento da produtividade continue com um “bom desempenho” em 2014 e 2015.

Mas é insuficiente para recuperar o lado social destruído nos últimos anos. No mercado de trabalho verifica-se “uma lenta estabilização do emprego, com uma taxa de desemprego elevada, uma vez que há um desfasamento de meio ano ou mais entre as evoluções no mercado de trabalho e as do PIB”, contabiliza Bruxelas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Poupança das famílias subiu no 2º trimestre

Deco pede medidas urgentes para travar crédito ao consumo

Elisa Ferreira, António Costa. Fotografia: Álvaro Isidoro/Global Imagens

Elisa Ferreira. Minas de lítio têm de “compensar impacto ambiental”

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira (E), e a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D). Fotografia: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Governo deixa cair referencial geral para aumento de salários

Comissão: Portugal passa a nono país mais pobre da União