Défice excessivo

Comissário alemão defende sanções contra Portugal

António Costa, primeiro-ministro. Fotografia: Gonçalo Delgado/Global Imagens
António Costa, primeiro-ministro. Fotografia: Gonçalo Delgado/Global Imagens

António Costa vai escrever a Juncker a argumentar contra as sanções. Pressões de ambos os lados intensificam-se.

O comissário europeu indicado pela Alemanha pediu que sejam aplicadas sanções a Portugal e Espanha por estarem no Procedimento por Défices Excessivos.

Numa semana em que Bruxelas volta a discutir o tema, com as opiniões divididas, e o Primeiro-Ministro António Costa escreve ao presidente da Comissão Europeia a argumentar contra as sanções, o alemão Guenther Oettinger quer que Bruxelas avance com uma proposta contra Portugal e Espanha, dizendo que se não houver penalização é o descredibilização das instituições europeias.

“Se a Comissão Europeia quiser preservar a sua credibilidade sobre as regras orçamentais, temos de aprovar sanções contra Espanha e Portugal”, adiantou ao jornal alemão “Bild”, citado AFP.

As declarações surgem menos de uma semana depois do ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, ter dito que Portugal corria o risco de um novo resgate se não cumprisse as regras e do presidente do Mecanismo Europeu de Estabilidade, Klaus Regling, ter dito que Portugal era o único país que o preocupava.

Bruxelas avalia amanhã o défice de Portugal e Espanha para que depois o Ecofin tome uma decisão sobre as sanções. Mas a Reuters noticiou que poderá haver um adiamento de três semanas, atirando para 27 de julho uma decisão, o que coloca pressão do lado do Governo.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa, e o ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP

Exportações e turismo afundam 9,6% e geram recessão de 2,3% no 1º trimestre

Cartões de crédito e débito. Fotografia: Global Imagens

Malparado: 10% das famílias com crédito está em incumprimento

Fotografia: José Sena Goulão/Lusa

Um quarto das empresas de alojamento e restauração está em incumprimento

Comissário alemão defende sanções contra Portugal