banco central europeu

Commerzbank: “Seria um erro fingir” que Portugal resolveu problemas

"Quando as taxas de juro voltarem a subir, Portugal deverá estar entre os países da zona euro que serão mais afectados"

Portugal ainda tem de encontrar soluções duradouras para os seus problemas, como o elevado endividamento e dependência do Banco Central Europeu para manter baixos os custos de financiamento do país, diz o economista Ralph Solveen, do Commerzbank.

Numa nota enviada aos investidores esta quinta-feira, este economista salienta que Portugal tem factores a seu favor “mas grandes riscos persistem”.

“Mesmo se parece que a navegação de Portugal será calma durante algum tempo no futuro, seria um erro fingir que o país encontrou uma solução duradoura para os seus problemas”, diz o economista.

Frisa que o endividamento do setor público e do setor privado continua elevado e que apenas taxas de juro baixas suportadas pelo Banco Central Europeu tornam o correspondente custo suportável. “Taxas de juro mais elevadas não estão no horizonte durante algum tempo mas quando as taxas voltarem a subir, Portugal deverá estar entre os países da zona euro que serão mais afectados”, avisa.

A Standard & Poor’s subiu o rating da República para grau de investimento na passada sexta-feira e o economista do Commerznank espera que outras agências de rating (Fitch e Moody’s) venham a fazer o mesmo.

As taxas de juro da dívida soberana portuguesa têm encontrado suporte no programa de compra de ativos do Banco Central Europeu que, no entanto, deverá começar a ser reduzido no futuro.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Paulo Azevedo, Chairman e Co-CEO da Sonae, e Ângelo Paupério, Co-CEO da Sonae.

(Leonel de Castro / Global Imagens)

Sonae SPGS com lucros de 200 milhões até setembro

Veículos estacionados no porto de Setúbal, durante a greve dos estivadores precários, em Setúbal, 14 de novembro de 2018. Em causa está um diferendo laboral desencadeado por um grupo de estivadores precários e a empresa de trabalho portuário Operestiva, que afeta várias empresas, entre as quais a Autoeuropa. ANDRÉ AREIAS/LUSA

Setúbal: Operestiva disposta a negociar se estivadores voltarem ao trabalho

Primeira-ministra Theresa May, 14 de novembro de 2018. EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Brexit: May consegue apoio do Governo e aprova rascunho do acordo final

Outros conteúdos GMG
Commerzbank: “Seria um erro fingir” que Portugal resolveu problemas