PSD

Concelhia de Cascais chumba regresso de António Capucho ao PSD

António Capucho
António Capucho

A votação decorreu por voto secreto entre os 18 elementos presentes.

A Concelhia de Cascais do PSD deu na quinta-feira parecer desfavorável, por unanimidade, à admissão de António Capucho naquela secção, disse à Lusa o presidente deste órgão partidário, Manuel Basílio de Castro.

A posição da Comissão Política foi manifestada numa moção votada durante uma reunião realizada esta noite e cuja redação final será divulgada na sexta-feira.

A votação decorreu por voto secreto entre os 18 elementos presentes.

“Formalmente ainda não recebemos a parte da informação escrita do pedido de inscrição. Só quando ele chegar é que podemos responder por escrito. No entanto, a Comissão Política já tomou posição”, explicou o líder da concelhia.

Questionado sobre a possibilidade de António Capucho poder apresentar um pedido de admissão noutra secção do PSD, Manuel Basílio de Castro afirmou ser possível: “Pode apresentar a admissão em qualquer outro ponto do país e depois segue os mesmos preceitos”.

Primeiro pronuncia-se a comissão política da respetiva secção, depois o processo segue para os órgãos centrais, podendo haver recurso para o conselho jurisdicional e para os órgãos nacionais do partido.

A aprovação da moção define as razões que fundamentam o parecer desfavorável.

Contactado pela Lusa, António Capucho escusou-se a comentar a decisão da Concelhia de Cascais até falar com o presidente do PSD, Rui Rio.

“Para já não comento, porque ainda não falei com o presidente do partido. Nos termos estatutários posso candidatar-me em qualquer secção do país, mas não tomei qualquer decisão. Por uma questão de ética, não comento até falar com o presidente”, declarou.

Esta semana, o PSD anunciou que António Capucho vai regressar ao partido, referindo-se ao ex-presidente da Câmara de Cascais como um “militante histórico” que ajudou a fundar o PSD, em 1974, tendo a nova ficha de militante dado entrada na sede social-democrata.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Concelhia de Cascais chumba regresso de António Capucho ao PSD