obras públicas

Concursos de obras públicas caem 46% em outubro, o pior mês desde maio de 2016

Fotografia: Leonel  de Castro/Global Imagens
Fotografia: Leonel de Castro/Global Imagens

Não obstante esta queda, o total de contratos celebrados e reportados nos primeiros dez meses do ano atingiu os 1.629 milhões de euros.

O mercado de obras públicas teve “uma travagem a fundo”, com os concursos promovidos a recuarem 45,7% em outubro, para 102 milhões de euros, face a setembro, o pior mês desde maio de 2016, revelou hoje a AICCOPN.

Segundo a edição de outubro do Barómetro das Obras Públicas da Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN), em outubro, “os concursos de empreitadas de obras públicas promovidos registam um forte abrandamento, com o valor apurado neste mês, 102 milhões de euros, a situar-se 45,7% abaixo do mês anterior e em menos de metade do valor médio mensal do ano, 242 milhões”.

“Este é, inclusivamente, o pior mês desde maio de 2016”, evidencia o barómetro.

Até ao final de outubro deste ano, no entanto, os concursos de empreitadas de obras públicas promovidos registam um crescimento homólogo de 80%, totalizando 2.421 milhões de euros.

No mesmo sentido do que se observou nos contratos de obras públicas promovidos, também os contratos celebrados registaram em outubro um “abrandamento muito expressivo”, para 81 milhões de euros, um recuo de 61,6% face a setembro e 50,4% abaixo da média do ano, 163 milhões de euros.

Não obstante esta queda, o total de contratos celebrados e reportados nos primeiros dez meses do ano atingiu os 1.629 milhões de euros, isto é, mantém um crescimento de 44% em termos homólogos.

Segundo o barómetro, os contratos celebrados no âmbito de concursos totalizam 927 milhões de euros, mais 55% em termos homólogos, enquanto os contratos celebrados em resultado de ajustes diretos somaram 600 milhões, 36% acima do valor observado em idêntico período de 2016, sendo que ambos registaram uma queda mensal de 68%, face ao mês anterior.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno ladeado pelos representantes dos dois maiores credores de Portugal: Pierre Moscovici (Comissão) e Klaus Regling (ESM). Fotografia: EPA/JULIEN WARNAND

Centeno usa verbas da almofada de segurança para pagar aos credores europeus

Paulo Fernandes lidera o grupo Cofina. (Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

Foto: Arquivo

Cofina quer TVI sem remédios

Paulo Fernandes lidera o grupo Cofina. (Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

Foto: Arquivo

Cofina quer TVI sem remédios

Outros conteúdos GMG
Concursos de obras públicas caem 46% em outubro, o pior mês desde maio de 2016