Confederação Empresarial da CPLP quer união de bancos e instituições financeiras

Salimo Abdula, presidente da CE-CPLP
Salimo Abdula, presidente da CE-CPLP

É fundamental que os bancos e instituições financeiras estejam preparadas para dar uma resposta conjunta aos investimentos feitos nos países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, defende o presidente da Confederação Empresarial da CPLP, Salimo Abdula. Assim, o responsável apela à criação de "uma verdadeira união de bancos, seguradoras e instituições financeiras".

Abdula, que falava na abertura do 1º Encontro de Bancos, Seguradoras e Instituições Financeiras dos Países da CE-CPLP, salientou a importância do sector bancário para que “a economia de um país se desenvolva”, sublinhando que “a maioria dos países da CPLP foi prendada com recursos que podem colocá-los no topo da economia mundial”.

Leia também: Passos: “Portugal está disponível para dinamizar cooperação na CPLP”

No sentido de criar esta “união de bancos”, adianta, a Confederação Empresarial da CPLP está a preparar “várias iniciativas que vão demonstrar o potencial das economias dos países” da comunidade, ao longo de 2014.

Este futuro só vai ser atingido, defendeu ainda o responsável, com a livre circulação de bens e pessoas, bem como a a livre transferência de capitais, entre estes países.

Para que a união de que fala seja possível, concluiu Abdula, “resta apenas que os políticos queiram que isso seja cumprido, para que possa existir um real desenvolvimento das economias destes países, para que sejam das maiores do mundo”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, conversa com Teresa Leal Coelho (ausente da foto), presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, durante a audição na Assembleia da República, Lisboa, 21 de março de 2019.  ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Ramalho: “DG Comp não tem particular simpatia pelos bancos portugueses”

António Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista Montepio Geral

( Gustavo Bom / Global Imagens )

ASF inicia processo de avaliação da idoneidade de Tomás Correia

Rodrigo Costa, CEO da REN Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Rodrigo Costa: “Já pagámos 127,5 milhões” de CESE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Confederação Empresarial da CPLP quer união de bancos e instituições financeiras