Conselho de Ministros

Pensões. Executivo aprova regime sem cortes para carreiras muito longas

ANTÓNIO COTRIM/LUSA
ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Esta será a primeira fase do novo regime de reformas antecipadas, que segundo as estimativas do Governo deverá abranger cerca de 15 mil pessoas

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira o decreto-lei que estabelece um regime especial de acesso antecipado à pensão de velhice para os beneficiários do regime geral de segurança social e da Caixa Geral de Aposentações com carreiras contributivas muito longas.

Segundo o executivo, este diploma tem como objetivo a proteção e valorização das “muito longas carreiras contributivas”, procurando assegurar o “direito ao bem-estar e à dignidade na reforma de milhares de portugueses que tiveram de começar a trabalhar quando ainda eram crianças”.

Este avanço social ainda terá uma segunda fase, refere o comunicado do Conselho de Ministros, que passará pela alteração do “regime de flexibilização dos beneficiários com 60 anos e carreiras contributivas iguais ou superiores a 40 anos”.

Quanto ao regime efetivamente aprovado esta quinta-feira, e de acordo com o comunicado do governo, este irá permitir “que os beneficiários do regime geral de segurança social e do regime de proteção social convergente possam reformar-se sem qualquer penalização no valor das suas pensões”.

Para que tal ocorra, estes beneficiários terão que reunir “uma das seguintes condições: tenham pelo menos 60 anos e uma carreira contributiva igual ou superior a 48 anos; ou tenham iniciado a sua atividade profissional com 14 anos ou idade inferior, e tenham aos 60 anos de idade pelo menos 46 anos de carreira contributiva”.

O mesmo documento salienta que os visados por este regime vão assim deixar de “ver aplicado ao cálculo da sua pensão os fatores que implicavam a redução do valor a receber por não terem atingido a idade normal de acesso à pensão, isto apesar de já terem 48 anos de carreira contributiva ou terem iniciado a sua carreira muito cedo”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, conversa com Teresa Leal Coelho (ausente da foto), presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, durante a audição na Assembleia da República, Lisboa, 21 de março de 2019.  ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Ramalho: “DG Comp não tem particular simpatia pelos bancos portugueses”

António Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista Montepio Geral

( Gustavo Bom / Global Imagens )

ASF inicia processo de avaliação da idoneidade de Tomás Correia

Rodrigo Costa, CEO da REN Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Rodrigo Costa: “Já pagámos 127,5 milhões” de CESE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Pensões. Executivo aprova regime sem cortes para carreiras muito longas