linhas de crédito´

Contabilistas denunciam pressões de bancos para falsas declarações

Paulo Franco ordem contabilistas
Paulo Franco, Bastonária da Ordem dos Contabilistas (Tiago Petinga/Lusa)

Bastonária da Ordem, Paula Franco, diz que há provas escritas que estão a caminho do Ministério Público.

A Ordem dos Contabilistas Certificados denuncia pressão de bancos e clientes para que os profissionais de contabilidade emitam declarações falsas de quebra de faturação com vista a obtenção pelas empresas dos apoios estatais para quem tem quebras mínimas de 40%.

A informação foi avançada esta sexta-feira pelo Jornal de Negócios com base nas informações dadas pela Bastonária da Ordem dos Contabilistas Certificados, Paula Franco, na conferência semanal com os profissionais inscritos na ordem. Nesta altura, a Ordem acumulará mais de 90 queixas de pressões apresentadas por contabilistas e avisa que há registos escritos do pedidos para falsas declarações que vão ser remetidos ao Ministério Público.

Na conferência, disponível no canal de Youtube da ordem, a Bastonária avisa também que os contabilistas que acedem aos pedidos para falsas declarações arriscam igualmente procedimentos disciplinares. Alguns estarão a fazê-lo com o objetivo de ganharem clientes, refere.

Os eventuais bancos de onde partirão as pressões não são identificados, mas serão mais do que um, de acordo com Paula Franco. Situação de que, ao Jornal de Negócios, a Associação Portuguesa de Bancos diz não ter conhecimento.

Em causa estão os critérios de acesso ao financiamento com garantias estatais da linha de mil milhões de euros para apoiar micro e pequenas empresas, que requerem quebras mínimas de 40% na faturação média de março a maio, comparando com os dois meses anteriores ou período homólogo do ano anterior. Para quem tem atividade há menos de dois anos, as regras são adaptadas para o período de vida da empresa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Arquivo/ Global Imagens

Transações de casas caíram 35,25% em abril. Preços começam a abrandar

(João Silva/ Global Imagens)

Estrangeiros compraram menos casas em Portugal em 2019. Preço por imóvel subiu

dgs covid portugal coronavirus

Mais cinco mortos e 463 infetados por covid-19 em Portugal

Contabilistas denunciam pressões de bancos para falsas declarações