Coronavírus

‘Contact centers’ preparam regresso a escritórios mas mantêm teletrabalho

Foto: Teleperformance Portugal
Foto: Teleperformance Portugal

Num ‘webinar’ promovido pela Associação Portuguesa de Contact Centers, vários responsáveis do setor detalharam os planos para o regresso.

Os ‘contact centers’ estão já a trabalhar em planos para fazer regressar os trabalhadores aos escritórios, mas garantem que em vários casos o teletrabalho vai manter-se, estando a analisar que colaboradores irão manter o regime.

Num ‘webinar’ promovido pela Associação Portuguesa de Contact Centers (APCC), com a colaboração da Talkdesk, vários responsáveis do setor detalharam os planos para o regresso, depois de uma migração forçada pela pandemia de covid-19, e que deverá acontecer em 01 de junho, reconhecendo que manter o teletrabalho pode ser uma vantagem, mas também um desafio.

O presidente da RHmais, Rui Henriques, lembrou que nem sempre é fácil manter uma equipa em casa e alertou para que, “além do esforço que estas empresas vão fazer na adaptação dos processos de coordenação e supervisão”, há o risco da “diluição do sentimento de pertença” e dos valores da equipa, bem como o aumento de problemas com a supervisão.

O responsável avisou também que existem “acordos de proteção de dados” que serão mais difíceis de garantir em casa, como por exemplo ter acesso a uma ficha de cliente.

Rui Henriques apelou ainda a uma espécie de novo código do trabalho, que enquadre o teletrabalho, e a uma “certificação” do assistente que trabalha remotamente, mostrando que tem condições e capacidade para o fazer.

Já a vice-presidente das operações em Portugal da Teleperformance, Ana Coelho, deu conta dos esforços da empresa na preparação do regresso.

“Contamos ter no início 20% de ocupação”, referiu, realçando a aposta nas condições de segurança para os trabalhadores, com maior desinfeção, equipamentos de proteção e o uso continuado da mesma estação de trabalho.

Ainda assim, o grupo quer manter o teletrabalho, que “faz parte de um cenário de continuidade de negócio dos clientes”, destacando o papel deste regime no recrutamento de talento.

O diretor executivo da Randstad, Pedro Empis, acredita que “há desafios grandes ao nível de custos e legislação” no regresso às empresas.

O responsável garantiu que neste momento o grupo está a avaliar a vontade dos trabalhadores em ficar em casa, salientando que antes da pandemia de covid-19 já contava com pessoas em teletrabalho.

Ainda assim, para Pedro Empis, os funcionários deverão dar provas de que conseguem manter-se neste regime, sendo que a empresa vai avaliar quem se adaptou melhor.

No caso da Webhelp, uma empresa multilingue, o teletrabalho “vai aumentar no futuro”, garantiu o presidente da empresa, Carlos Moreira.

“Hoje continuamos a recrutar e a formar de forma virtual. Além disso, aumentamos os conteúdos ao nível de ‘e-learning’”, assegurou.

As empresas participantes realçaram ainda a rapidez com que conseguiram implementar o teletrabalho para a maioria dos funcionários.

No caso da Teleperformance, com mais de 10 mil funcionários, isto representou um investimento de cerca de 2,6 milhões de euros, indicou Ana Coelho.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Ilustração: Vítor Higgs

Indústria têxtil em força na principal feira de Saúde na Alemanha

O Ministro das Finanças, João Leão. EPA/MANUEL DE ALMEIDA

Nova dívida da pandemia custa metade da média em 2019

spacex-lanca-com-sucesso-e-pela-primeira-vez-a-nave-crew-dragon-para-a-nasa

SpaceX lança 57 satélites para criar rede mundial de Internet de alta velocidade

‘Contact centers’ preparam regresso a escritórios mas mantêm teletrabalho