PSD Diretas

“Continuo a ser Pedro Santana Lopes e a assumir tudo o que fiz”

EPA/MIGUEL A. LOPES
EPA/MIGUEL A. LOPES

Santana Lopes, afirmou que, mesmo que soubesse à partida que ia perder esta disputa, teria assumido na mesma o combate político “para clarificar”.

O candidato derrotado à liderança do PSD, Santana Lopes, afirmou que, mesmo que soubesse à partida que ia perder esta disputa, teria assumido na mesma o combate político “para clarificar”.

“Continuo a ser Pedro Santana Lopes e a assumir tudo o que fiz e agora junta-se mais esta campanha”, afirmou, em declarações aos jornalistas, repetindo a frase com que, em 22 de outubro, apresentou a sua candidatura em Santarém.

Visivelmente emocionado, o antigo primeiro-ministro afirmou que irá agora regressar à vida privada como advogado e docente universitário, embora sem nunca desistir do combate político.

“Enquanto viver continuarei a lutar pelo que acredito”, prometeu, admitindo não saber ainda qual será o próximo desafio.

Santana Lopes disse que sempre admitiu os dois cenários nestas eleições internas, mas assegurou que, ainda que soubesse que ia perder, teria concorrido.

“Eu tinha de fazer este combate, tinha de fazer esta clarificação. Eu não ficaria bem com a minha consciência se não tivesse feito este caminho”, justificou.

Questionado se irá “andar por aí”, uma frase que disse quando deixou a liderança do partido em 2005, Santana respondeu: “Não, agora será mais por aqui, vou pensar, avaliar, muito obrigada a todos”.

O ex-presidente da Câmara do Porto Rui Rio foi hoje eleito presidente do PSD com 54,37% dos votos, com uma diferença de cerca de 10 pontos percentuais para Pedro Santana Lopes, informou o partido.

Rui Rio será o 18.º presidente do PSD, partido fundado após 25 de Abril de 1974, sucedendo a Pedro Passos Coelho, eleito em 2010.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
“Continuo a ser Pedro Santana Lopes e a assumir tudo o que fiz”