Falsificações

Contrafação. Europol lidera operação de combate a crimes em ambiente digital

Grupo Anticontrafação apreendeu em 2014 4,3 milhões de bens contrafeitos

Operação global conjunta levou à detenção de 12 pessoas e ao congelamento de mais de 1 milhão de euros em contas bancárias e carteiras de criptomoedas

A Europol, o serviço europeu de polícia, detetou 33.654 sites na internet a vender produtos contrafeitos e pirateados (mais 64% do que na operação similar anterior), o que levou à detenção de 12 pessoas suspeitas e ao congelamento de mais de um milhão de euros em várias contas bancárias, plataformas de pagamento online e carteiras de criptomoedas. Em causa está a venda desde medicamentos falsificados a filmes piratas, passando por programas de televisão, música, software, e artigos eletrónicos entre outros produtos, anunciou a Europol, em comunicado, sublinhando que esta operação internacional conjunta envolveu as autoridades dos Estados-membros, como a portuguesa Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) e o Centro Nacional de Coordenação dos Direitos de Propriedade Intelectual dos EUA.

Esta foi a na edição desta operação global conjunta, intitulada Operation In Our Sites (IOS), coordenada pela Europol em estreita cooperação com a European Union Intellectual Property Office (EUIPO), refere a ASAE, dando conta que visava “combater os crimes contra os direitos de propriedade industrial e intelectual, praticados online, através das redes sociais ou de páginas especificamente criadas para a venda de produtos contrafeitos e para a divulgação e partilha pública de conteúdos proibidos”.

Especifica a ASAE que, ao longo desta operação, que decorreu desde o início de 2018, através da sua Unidade Nacional de Informações e Investigação Criminal, “procedeu à investigação e fiscalização de cerca de 170 sites onde eram comercializados produtos contrafeitos (designadamente vestuário, calçado, acessórios para telecomunicações, equipamentos e componentes de software de diagnóstico automóvel, acessórios de pesca, entre outros), divulgados conteúdos em violação dos direitos de autor e direitos conexos (acesso a conteúdos de canais fechados ou pay-per-view) e ainda comercializados produtos estupefacientes e substâncias psicoativas”.

Além da identificação dos autores e promoção dos respetivos mandados de busca para apreensão de prova, foram ainda inutilizadas cerca de 80 páginas digitais.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

Negociações para revisão do contrato coletivo de trabalho da construção arrancam em setembro

Salário base da construção pode subir até 194 euros

Outros conteúdos GMG
Contrafação. Europol lidera operação de combate a crimes em ambiente digital