Energia

Coopérnico baixa os preços da eletricidade para empresas e famílias

luz

Novo tarifário #FiqueEmCasa da cooperativa portuguesa de energias renováveis assegura um desconto de 9 a 9,5% face ao que estava em vigor

A Coopérnico, a primeira cooperativa portuguesa de energias renováveis anunciou, nesta quarta-feira, que baixou o seu tarifário para as famílias e as empresas. As novas tabelas, que estarão em vigor até 30 de junho de 2020, foram batizadas de #FiqueEmCasa e asseguram poupanças que podem chegar aos 9,5% para agregados familiares de seis pessoas (dois adultos e quatro filhos). Um casal sem filhos terá um desconto de 9%.

“Numa altura de contenção para famílias e empresas, a Coopérnico pretende apoiar os membros e clientes com uma redução de tarifário que também se aplica aos novos clientes”, destaca a cooperativa em comunicado, sublinhando que esta redução de preços decorre da partilha das poupanças que a Coopérnico está a obter no mercado grossista de energia. E garante que, de acordo com o simulador da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, o seu novo tarifário #FiqueEmCasa “está já entre os mais baratos do mercado”. E será revisto no final de junho.

Veja também Tarifa da luz no mercado regulado vai baixar 3%

“Embora a cooperativa ainda seja ‘jovem’ no mercado de comercialização, está em condições de fazer um corte tarifário ajustado ao momento que vivemos. Achámos que, neste momento, deveríamos dar o exemplo e apoiar famílias e empresas perante os desafios que vivemos como sociedade. Esta redução de preços está enquadrada na estratégia central que faz parte da génese da Coopérnico: conseguir sempre um preço mais justo para os seus membros e clientes”, destaca Miguel Almeida, membro da direção da Coopérnico e responsável pela unidade de negócio da comercialização. A cooperativa conta já com 1550 membros.

A tarifário Coopérnico #FiqueEmCasa prevê uma fatura anual de 402,91 euros (33,57 euros por mês) para um agregado de duas pessoas, com contagem simples, uma potência contratada de 3,45 kVA e um consumo de 1900 kWh. No caso de contagem bi-horária, o preço será, em média, de 405,25 euros ao ano (33,77 euros por mês).

Já para uma família com dois filhos, e com um consumo da ordem dos 5000 kWh e uma potência contratada de 6,9 kVA, a tarifa da Coopérnico será de 980,35 euros ao ano (81,69 euros por mês). No caso de uma família de seis elementos, com dois adultos e quatros filhos, uma potência contratada de 13,8 kVA e um consumo de 10900 kWh, a fatura anual oscilará entre os 2067,59 euros ao ano e os 2081 euros, consoante se trate de contagens simples ou bi-horárias. Todos estes cenários pressupõem contratação eletrónica, fatura digital e pagamento por débito direto.

Para ser cliente da Coopérnico tem que ser membro ou amigo de um membro. Para tal, bastará adquirir três títulos de capital social, no valor de 60 euros (custam 20 euros cada um), sendo que cada membro pode oferecer o tarifário da Coopérnico a três amigos ou familiares. Tornando-se membro, passa também a ser dono da sua própria empresa de energia, já que se trata de uma cooperativa. Pode então aderir ao novo tarifário, na página online.

“Contribuindo para a transição energética e democratização do setor energético, a Coopérnico, a primeira cooperativa portuguesa de energias renováveis, é também a primeira empresa da economia social a fornecer energia elétrica em Portugal Continental”, destaca o comunicado, sublinhando que a instituição “é pioneira em Portugal num modelo em que a eletricidade é comercializada sem fins lucrativos e defende, num contexto de mercado liberalizado, a democratização do setor, com maior justiça e equidade”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, acompanhado pela ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, momentos antes de falar aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa, 3 de setembro de 2020. MÁRIO CRUZ/POOL/LUSA

Défice público chega a 6,1 mil milhões em agosto, mas suaviza face a julho

Fotografia: Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens

Sinistros automóveis sem seguro custaram 4,7 milhões

Bosch testes rápidos

DGS aprova testes rápidos à covid da Bosch. Primeiro evento é a Volta a Portugal

Coopérnico baixa os preços da eletricidade para empresas e famílias