COP25

COP25: Portugal “está na linha da frente das políticas ambientais”

António Costa na COP25, em Madrid. 
REUTERS/Sergio Perez
António Costa na COP25, em Madrid. REUTERS/Sergio Perez

Em Madrid, na COP25, o primeiro-ministro António Costa lembrou que em Portugal 54% da energia já tem origem em energias renováveis.

O primeiro-ministro considerou que Portugal está na linha da frente das políticas ambientais e destacou a escolha de Lisboa para Capital Verde Europeia 2020 e a realização da conferência mundial sobre oceanos em Portugal no próximo ano.

Na COP25, na capital espanhola, o primeiro-ministro discursou ao final da manhã, antes de um almoço que será oferecido pelo chefe do Governo espanhol, Pedro Sánchez, e de participar num debate com a sociedade civil sobre “melhorar a ação conjunta”.

No seu discurso, perante 50 chefes de Estado e de Governo e representantes de organismos internacionais, o primeiro-ministro lembrou que em Portugal 54% da energia já tem origem em energias renováveis, garantindo que o impacto económico desta medida não só não prejudicou a economia nacional, como permitiu superar a média europeia. Além disso, garantiu, a aposta nas renováveis permitiu reduzir os custos da energia em 8% nos últimos quatro anos.

“Muitos temiam o impacto económico desta medida. Mas no ano passado reduzimos três vezes mais as emissões da UE e estamos a crescer acima da média europeia. Ou seja, a transição energética não prejudicou no nosso crescimento”, declarou António Costa, lembrando o encerramento das centrais a carvão em 2021 e 2023, e também as metas de chegar a 80% de energia consumida a partir de fontes renováveis já em 2030 e à neutralidade carbónica em 2050.

O primeiro-ministro sublinhou também a mais recente aposta do Governo no hidrogénio verde, numa lógica de diversificação das fontes de energia, que assumirá um papel de maior relevo na versão final do Plano de Energia e Clima 2030 a entregar a Bruxelas até ao final deste ano, como já foi garantido pela tutela do Ambiente. Uma “maior produção de hidrogénio verde” será a prioridade de Portugal, assumiu Costa. “Temos de pôr o bom clima que temos em Portugal ao serviço da produção desta nova fonte de energia”, disse o primeiro-ministro português.

Em Bilbau, no domingo à noite, em declarações aos jornalistas sobre a COP25, o primeiro-ministro defendeu que Portugal tem “uma boa história para contar” no domínio ambiental, já que “começou há dez anos a construir um investimento muito forte, o que permite ao país ter agora um nível de incorporação de energias renováveis sem comparação com outros países”.

“Para o ano, Lisboa vai ser a capital verde da Europa – e é a primeira vez que uma cidade do sul da Europa vai ser capital verde. Por outro lado, uma das grandes prioridades da política externa portuguesa para o próximo ano é organizar a conferência mundial sobre os oceanos no quadro das Nações Unidas”, disse.

Esta conferência mundial, de acordo com o primeiro-ministro, será coorganizada com o Quénia e terá lugar em Portugal sobre o tema dos oceanos.

“A questão dos oceanos é crítica para enfrentarmos as alterações climáticas”, sustentou António Costa.

Na perspetiva do primeiro-ministro, Portugal “começou a mudar e já tem resultados concretos dessa mudança”.

“Uma das provas importantes foi o leilão que fizemos de energias renováveis com base no solar em junho passado e em que conseguimos bater o recorde mundial da energia mais baixa de todo o mundo. Isso demonstra que é possível outro caminho – e é isso que vou dizer na COP25. Portugal tem provas dadas”, acrescentou.

Meia centena de líderes mundiais vão estar presentes esta segunda-feira na abertura da Cimeira sobre Alterações Climáticas, em Madrid, numa cerimónia presidida pelo primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, e pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, e na qual Portugal estará representado pelo primeiro-ministro.

Ao todo são esperadas delegações de 196 países, assim como os mais altos representantes da União Europeia e várias instituições internacionais.

Com Lusa

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
José Abraão (c), secretário-geral da Federação de Sindicatos da Administração Pública e de Entidades com Fins Públicos (FESAP).   MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Fesap desafia sindicatos na contestação aos aumentos na função pública

Secretário de Estado da Administração Pública, José Couto.

Governo diz que foi “até onde podia ir” nos aumentos da função pública

(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo dá tolerância de ponto a 24 e 31 de dezembro aos funcionários públicos

Outros conteúdos GMG
COP25: Portugal “está na linha da frente das políticas ambientais”