Coronavírus: Hong Kong tem 14,2 mil milhões para recuperar economia

Hong Kong vai dar mais de mil euros por cada residente. Governo local estima défice recorde em 2020.

Hong Kong anunciou hoje medidas de 120 mil milhões de dólares de Hong Kong (14,2 mil milhões de euros) para recuperar a economia afetada pelos protestos antigovernamentais e pelo coronavírus Covid-19.

Na apresentação do orçamento para 2020/2021, no parlamento local, o secretário para as Finanças indicou que o Governo de Hong Kong vai distribuir uma ajuda financeira de dez mil dólares de Hong Kong (1.180 euros) a todos os adultos residentes permanentes da cidade, que regista dois mortos e 85 pessoas infetadas com o novo coronavírus.

Paul Chan explicou aos deputados que este orçamento pretende "apoiar empresas, salvaguardar empregos, estimular a economia e aliviar o fardo das pessoas".

O mesmo governante estimou um défice recorde para o próximo ano e expressou a convicção de que "apenas com este orçamento será possível ajudar a comunidade e empresas locais a superar as dificuldades".

Chan assinalou que 2019 "foi um ano inquietante, repleto de obstáculos e inesquecível para todo o povo de Hong Kong", muito por causa dos protestos antigovernamentais que tiveram um forte impacto na economia desde junho.

"Antes que pudéssemos resolver as coisas, houve um surto inesperado da nova doença do coronavírus", argumentou.

Por outro lado, o responsável salientou que "prevenir e combater a epidemia, bem como empregar recursos para aliviar a pressão sobre as empresas e o público em geral, são (...) a principal prioridade", algo que já se traduziu na passada semana com o anúncio de um "fundo anti-epidemia" de 30 mil milhões de dólares de Hong Kong (3,5 mil milhões de euros) "para aliviar o fardo sobre essas indústrias e funcionários, diante da tempestade".

Na vizinha Região Administrativa Especial de Macau, onde foram identificados dez casos (sete já receberam alta), o Governo liderado por Ho Iat Seng tinha indicado em 31 de janeiro que ia antecipar para abril o pagamento da comparticipação pecuniária anual, no valor de 10 mil patacas (1.100 euros) e de seis mil patacas (690 euros) para residentes permanentes e não permanentes, respetivamente.

Em 13 de fevereiro, o Executivo anunciou mesmo benefícios fiscais para empresas e população, uma linha de empréstimos bonificados para as pequenas e médias empresas e medidas de apoio social para reduzir o impacto económico devido ao Covid-19.

Medidas excecionais que incluem a isenção ou redução dos impostos, pela abertura de uma linha de empréstimo com juros bonificados, pelo reforço do apoio social, bem como pelo lançamento de vales de consumo eletrónico.

O balanço provisório da epidemia do coronavírus Covid-19 é de pelo menos 2.763 mortos e cerca de 81 mil infetados, de acordo com dados de mais de 40 países e territórios.

Das pessoas infetadas, quase 30 mil recuperaram.

Além dos mais de 2.700 mortos na China, onde o surto começou no final do ano passado, Irão, Coreia do Sul, Itália, Japão, Filipinas, França, Hong Kong e Taiwan registaram também vítimas mortais.

A Organização Mundial de Saúde declarou o surto do Covid-19 como uma emergência de saúde pública de âmbito internacional e alertou para uma eventual pandemia, após um aumento repentino de casos em Itália, Coreia do Sul e Irão nos últimos dias.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de