Indústria

Cortiça fecha 2016 com valor recorde nas exportações

Fotografia: António Pedro Santos / Global Imagens
Fotografia: António Pedro Santos / Global Imagens

A inovação, com as novas aplicações da cortiça, são uma das áreas de aposta para o crescimento. A par da área florestal e da promoção internacional

A indústria da cortiça vai fechar 2016 com um novo recorde histórico de exportações. Depois de ter conseguido, o ano passado, bater a barreira mítica dos 900 milhões de euros de vendas ao exterior, o setor conta, este ano, ultrapassar os 950 milhões e ficar a dois passos do seu objetivo estratégico já há algum tempo: os mil milhões de euros exportados, meta que será conseguida em 2017.

A aposta na área florestal, para ter “mais e melhor cortiça” e na inovação, a nível industrial, para encontrar novas aplicações, mas também para “reforçar a qualidade e a performance” das rolhas de cortiça, que continuam a assegurar 70% da faturação, são dois dos vetores de desenvolvimento da fileira. A que se junta a “consolidação da promoção e divulgação internacional, de modo a que a cortiça continue a manter a confiança dos consumidores em todo o mundo”, destaca o presidente da Associação Portuguesa de Cortiça – APCOR, João Rui Ferreira.

A InterCork III, a sétima campanha de comunicação da cortiça, estará no mercado no início de 2017, num investimento de 7,8 milhões. O programa Compete suporta cerca de 80%, o restante é pago pelas empresas. Um dos objetivos da campanha é mostrar as mil e uma aplicações da cortiça, que já hoje está presente em segmentos tão distintos como os materiais de construção, as indústrias têxtil e do calçado e a aeronáutica, entre outras. Os materiais de construção asseguram 20 a 25% das exportações de cortiça e o resto deve-se às novas aplicações.

Um valor pequeno, mas a ambição é grande, diz o presidente da APCOR, que destaca o papel da cortiça na indústria de transportes, cada vez mais procurada por ser um material leve e que, “mantendo os requisitos de isolamento térmico e acústico, permite uma redução dos consumos energéticos”, na farmacêutica e cosmética, “que tira partido daquilo que são os extratos ou alguns elementos da cortiça no seu estado mais puro para servir de base a novas formas de produtos de elevado valor acrescentado”. Não esquecer os materiais compósitos, área onde, combinada com outros materiais, “tem muitas e diferentes aplicações industriais”.

Em jeito de balanço dos 60 anos da APCOR, que hoje são comemorados, com uma conferência subordinada ao tema “Como valorizar o setor da cortiça?”, João Rui Ferreira destaca as “muitas mudanças, transformações e desafios” a que a fileira esteve sujeita. Mas que conseguiu ascender a líder mundial na transformação de cortiça. E não só. Conseguiu, também, vencer a dura guerra dos vedantes e é hoje “líder mundial no mundo do vinho”.

números :
50 milhões investidos
É o valor acumulado do programa InterCork, que arrancou em 1999 e que vai já na sétima campanha de promoção internacional. As grandes novidades para 2017 são o regresso ao Reino Unido e a aposta na divulgação das potencialidades da cortiça juntos das universidades e investigadores.

8.500 trabalhadores
São 600 as empresas da fileira da cortiça e que dão emprego a cerca de 8.500 trabalhadores. 80% das empresas são associadas da APCOR e 82% têm sede no concelho de Santa Maria da Feira

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Página inicial

Paulo Macedo presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos
(Orlando Almeida / Global Imagens)

Centeno dá bónus de 655.297 euros à administração da CGD

Outros conteúdos GMG
Cortiça fecha 2016 com valor recorde nas exportações