Carga fiscal

Costa afirma que carga fiscal vai manter-se no essencial

Foto: Reinaldo Rodrigues/Global Imagens
Foto: Reinaldo Rodrigues/Global Imagens

António Costa afirmou que "o essencial da redução" já foi "consolidado" pelo Governo e que o principal desafio do país é a redução da dívida.

O primeiro-ministro afirmou esta terça-feira que haverá estabilidade no quadro fiscal nos próximos anos, defendendo que “o essencial da redução” já foi “consolidado” pelo Governo e que o principal desafio do país é a redução da dívida.

Esta posição foi transmitida por António Costa no final de um almoço/conferência promovido pela Associação de Amizade Portugal Estados Unidos (realizado em Lisboa), na sequência de uma pergunta formulada pelo empresário e ex-presidente do Sporting Godinho Lopes.

“Não antevejo grandes mudanças no quadro fiscal do país nos próximos anos”, respondeu o líder do executivo, considerando que já se encontra “consolidado o essencial da redução da carga fiscal” com que o seu Governo estava comprometido nesta legislatura.

A prioridade fundamental do país, justificou o primeiro-ministro, é reduzir a sua dívida, “o que implica a necessidade de se manter níveis de saldos primários relativamente elevados”.

“Isso implica quer que não se possa aumentar a despesa tanto como desejaríamos, assim como implica não baixar a carga fiscal tanto quanto desejaríamos. Temos de nos manter neste equilíbrio até existir um nível de dívida sustentável que nos alivie de riscos relativamente a imponderáveis no cenário internacional, designadamente na sequência de eventuais guerras comerciais”, disse.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
José Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. Fotografia: Jorge Amaral/Global Imagens

Reformas. Governo quer normalizar pagamentos até ao final do ano

O primeiro-ministro, António Costa, discursa durante um encontro com empresários a trabalhar em Angola, em Luanda, Angola. O primeiro-ministro termina esta terça-feira, uma visita oficial de dois dias a Angola, durante a qual procurará retomar rapidamente os níveis anteriores a 2014 nas relações económicas e normalizar os contactos bilaterais político-diplomáticos. (JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA)

Costa: Portugal deseja mais empresas e investidores angolanos no país

Margrethe Vestager, comissária europeia da Concorrência. REUTERS/Yves Herman

Bruxelas suspeita de cartel alemão na tecnologia de emissões

Outros conteúdos GMG
Costa afirma que carga fiscal vai manter-se no essencial