Professores

Costa demite-se se diploma dos professores for aprovado

O primeiro-ministro, António Costa. JOÃO RELVAS/LUSA
O primeiro-ministro, António Costa. JOÃO RELVAS/LUSA

O primeiro-ministro falou aos jornalistas depois da reunião com Marcelo Rebelo de Sousa. A votação pode acontecer já na próxima quarta-feira, dia 15.

O primeiro-ministro ameaça com a demissão caso o diploma dos professores seja aprovado em votação final global, no parlamento. “É socialmente injusto”, afirmou António Costa, acrescentando que “condiciona” a governação futura e representa uma “rutura irreparável” com os compromissos assumidos.

O chefe do governo lembrou que o processo legislativo não estava ainda concluído, mas enumerou as consequências da aprovação da iniciativa parlamentar aprovada ontem na comissão parlamentar de Educação:

  1. 1) criação de um encargo adicional de, pelo menos, mais 340 milhões de euros devido ao pagamento de retroativos;

  2. 2) a aplicação deste diploma ao ano de 2019 implicaria necessariamente um orçamento retificativo o que quebraria a regra da estabilidade e da boa gestão orçamental;

  3. 3) a necessária extensão deste diploma aos demais corpos especiais, por si só, implicaria um acréscimo de despesa de 800 milhões de euros;

  4. 4) a restrição desta solução aos professores e restantes corpos especiais colocaria em situação de desigualdade os demais funcionários públicos e todos os portugueses que sofreram os efeitos da crise;

  5. 5) a acomodação no curto, médio e longo prazo só seria possível com inevitáveis cortes nos serviços públicos ou significativos aumentos de impostos.

O chefe do governo recordou algumas das medidas tomadas pelo governo, como a redução do valor dos passes sociais, a reposição de rendimentos através do IRS ou a redução da taxa de risco de pobreza. Costa lembrou que o executivo conduziu uma “política orçamental responsável, com mais crescimento, mais emprego e mais igualdade”, acrescentando que “foi esta a política que seguimos na administração pública” com a redução do horário de trabalho ou a integração dos precários.

Costa lembrou que tem de haver “compatibilidade com os recursos disponíveis.”

Em espera até para a semana

A demissão do governo fica agora dependente do que acontecer na votação final global do diploma que ainda não tem a redação final. E tal pode ocorrer já na próxima semana. Tudo vai depender do agendamento das votação. O líder parlamentar do PCP, João Oliveira afirmou “não ver razões” para que a votação seja feita já no dia 10 de maio, dentro de uma semana, havendo a possibilidade de também acontecer no dia 15.

Seja como for, para já, a bancada comunista garante que não cede a ameaças. “A chantagem do governo com o PCP não funcionara”, garantiu João Oliveira numa declaração aos jornalistas esta sexta-feira, no parlamento, acrescentando que vai manter o sentido de voto para a recuperação integral do tempo de serviço.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(PAULO CUNHA/LUSA)

Costa espera ser primeiro-ministro 12 anos e dar início à regionalização

O novo primeiro-ministro, António Costa. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

OE2020: Costa anuncia reforço de incentivos ao arrendamento acessível

Alexandra Leitão, ministra da Administração Pública. Fotografia: António Pedro Santos/Lusa

Funcionários mais antigos podem perder dias de férias com baixas prolongadas

Outros conteúdos GMG
Costa demite-se se diploma dos professores for aprovado