União Europeia

Costa destaca reação europeia às medidas unilaterais dos EUA

António Costa
António Costa

O primeiro-ministro, António Costa, destacou hoje a reação da União Europeia aos EUA, e a recusa do bloco comunitário em ter uma atitude submissa.

O primeiro-ministro, António Costa, destacou hoje a reação da União Europeia (UE) aos Estados Unidos da América, e a recusa do bloco comunitário em ter uma atitude submissa relativamente às medidas polémicas do presidente Donald Trump.

Em declarações aos jornalistas em Sófia (capital da Bulgária), onde participou na Cimeira UE-Balcãs, o primeiro-ministro português revelou a existência de “uma grande convergência de pontos de vista” entre os 28 relativamente às decisões de Donald Trump de ‘rasgar’ o acordo nuclear iraniano e de aplicar taxas alfandegárias às importações de aço e alumínio.

“Sente-se que a Europa está a reagir. A pior coisa que poderia acontecer era a Europa romper uma aliança ou então ter uma atitude submissa relativamente a um parceiro com o qual se tem de relacionar de igual para igual. Aquilo que eu acho que foi positivo ter acontecido ontem [quarta-feira] foi ao nível dos 28 não ter havido fraturas, nem divergências quanto ao essencial, e ter sido possível tomar uma posição conjunta”, salientou.

António Costa reportava-se ao jantar informal de quarta-feira, no qual os chefes de Estado e de Governo do bloco comunitário discutiram o acordo nuclear do Irão, e as taxas alfandegárias norte-americanas às importações de aço e de alumínio.

“Se pensarmos que há um ano estávamos a recear pelo futuro da Europa depois do ‘Brexit’ [saída do Reino Unido da União Europeia], um ano depois, ainda com o Reino Unido, conseguirmos uma frente comum face à pressão dos Estados Unidos e à sua ação no Irão e relativamente à política comercial com a Europa, é um sinal positivo”, frisou.

O primeiro-ministro disse que o acordo nuclear com o Irão é para “continuar a cumprir”, e indicou que, em relação aos Estados Unidos, a postura da UE é a de manter “uma atitude de diálogo que deve existir entre parceiros, amigos e aliados”, ao mesmo tempo que afirma “claramente” a necessidade de não aceitar medidas unilaterais que atinjam diretamente a economia e as empresas europeias.

O governante admitiu ainda que, caso a administração norte-americana decida reverter a isenção da UE às taxas alfandegárias às importações de aço e alumínio, haverá “seguramente” empresas portuguesas afetadas.

“Aquilo que estamos a procurar seja que todas tenham as medidas necessárias para que não sejam atingidas pelas sanções”, completou.

O Presidente Donald Trump anunciou na semana passada que os Estados Unidos abandonam o acordo nuclear assinado em 2015 entre o Irão e o grupo 5+1 (os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança – Estados Unidos, Rússia, China, França e Reino Unido — e a Alemanha).

A chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, vincou a determinação da Europa de cumprir o acordo, que permitiu o levantamento gradual das sanções económicas e financeiras internacionais ao Irão em troca do compromisso de Teerão de limitar o seu programa nuclear a fins civis.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Costa destaca reação europeia às medidas unilaterais dos EUA