OE2019

Costa destaca redução das propinas e aumento das residências universitárias

(Orlando Almeida / Global Imagens)
(Orlando Almeida / Global Imagens)

O primeiro-ministro defendeu que a proposta de OE 2019 apresenta uma aposta clara na melhoria da qualificação dos cidadãos.

“Este orçamento é claro na aposta que faz nas qualificações, onde saliento a democratização do Ensino Superior, tanto pela redução das propinas como pelo aumento das residências universitárias”, declarou António Costa no discurso que fez na conferência de alto nível da Organização Internacional do Trabalho (OIT), no Palácio Foz, em Lisboa.

Nesta conferência, subordinada ao tema do “Trabalho digno em Portugal 2008/2018 – da crise à recuperação”, o líder do executivo assumiu ter consciência de que “há muito a fazer” no país em matéria de melhoria das qualificações.

Ao nível das qualificações, o primeiro-ministro afirmou que a proposta de Orçamento do Estado para 2019, que deu entrada no parlamento na segunda-feira à noite, constam “medidas importantes ao fixar a propina máxima em dois indexantes de apoio social, o que constituiu uma redução de 20% da propina máxima”.

“Por outro lado, há o lançamento do Plano Nacional do Alojamento das Residências Universitárias, tendo em vista facilitar a mobilidade e as condições de alojamento dos estudantes do Ensino Superior”, completou.

Apesar dos indicadores relativos à redução continuada do abandono escolar desde 1992 e de, atualmente, 50% dos jovens ingressarem no Ensino Superior, António Costa referiu que Portugal “continua a ter das forças de trabalho menos qualificadas da União Europeia”.

Por essa razão, na perspetiva do primeiro-ministro, o Governo tem de “prosseguir esforços em três frentes”, o primeiro dos quais no sentido de reforçar o programa Qualifica, que desde o início de 2017 já recebeu cerca de 210 mil inscrições”.

Em segundo lugar, “temos de expandir a oferta do ensino profissional que, entre 2015 e 2018, viu, no ensino secundário, aumentar em mais de dez mil os alunos inscritos – e no Ensino Superior tem já 12.000 estudantes nos novos cursos superiores profissionais”.

Por fim, na perspetiva de António Costa, o seu Governo tem de “continuar a aumentar o número de licenciados em Portugal, almejando até 2030 transformar os 50% de participação em 50% de graduados”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May. REUTERS/Toby Melville

Brexit arrisca tirar 5% às bolsas. Libra com maior queda do ano

ANDRÉ AREIAS/LUSA

Autoeuropa envia centenas de carros para Leixões e Espanha para escoar produção

Lisboa. Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens

Hóspedes crescem até setembro mas dormidas em queda

Outros conteúdos GMG
Costa destaca redução das propinas e aumento das residências universitárias