salário mínimo

Salário mínimo de 750 euros discutido na próxima semana na concertação social

O secretário-geral do Partido Socialista (PS), António Costa, discursa durante a reunião da Comissão Nacional realizada no Centro Nacional de Exposições – CNEMA, Santarém, 27 de outubro de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA
O secretário-geral do Partido Socialista (PS), António Costa, discursa durante a reunião da Comissão Nacional realizada no Centro Nacional de Exposições – CNEMA, Santarém, 27 de outubro de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA

Secretário-geral do PS anunciou este sábado que vai reunir-se na próxima semana com os parceiros sociais para apresentar a proposta do Governo.

O secretário-geral do PS anunciou este sábado que vai reunir-se na próxima semana com os parceiros sociais para apresentar a proposta do Governo de elevar o salário mínimo todos os anos até atingir 750 euros em 2023.

António Costa referiu-se a esta reunião da concertação social quando entrava para a Comissão Nacional do PS, em Santarém, depois de questionado se vai procurar consensualizar a proposta de aumento do salário mínimo que apresentou no sábado, durante o discurso que proferiu na posse do XXII Governo Constitucional.

Perante os jornalistas, o secretário-geral do PS referiu que a fixação em cada ano do salário mínimo nacional não é objetivo de negociação, sendo antes “uma decisão do Governo”.

“Mas o bom senso manda que se ouça os parceiros sociais. Já para a semana, vamos ouvir os parceiros sociais em sede de concertação social e estaremos em condições de fixar a base de partida para esta caminhada que nos propomos fazer até atingir os 750 euros”, declarou.

O secretário-geral do PS defendeu depois que, aquilo que “é perspetivável sobre a economia e aquilo que é a dinâmica do mercado de trabalho, permite uma subida de 50% do salário mínimo no conjunto das duas legislaturas”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Mário Centeno 
(EPA-EFE/PATRICIA DE MELO MOREIRA)

Lentidão nos reembolsos fazem disparar IRS em plena crise

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (C), acompanhado pelo ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno e pelo presidente da CP, Nuno Freitas (E), na assinatura do contrato de serviço público entre o Estado e a CP, na Estação do Rossio, em Lisboa, 28 de novembro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

CP sem contrato com Estado só tem dinheiro até junho

avião da TAP

PS desafia TAP a corrigir plano de rotas áreas que “lesa interesse nacional”

Salário mínimo de 750 euros discutido na próxima semana na concertação social