eleições europeias

Costa pede voto em “quem tem peso efetivo” em Bruxelas

António Costa cumprimenta o cabeça de lista do PS às Eleições Europeias, Pedro Marques. Fotografia: José Sena Goulão / LUSA
António Costa cumprimenta o cabeça de lista do PS às Eleições Europeias, Pedro Marques. Fotografia: José Sena Goulão / LUSA

O secretário-geral do PS considerou este domingo essencial o voto no PS nas eleições europeias, porque elege quem defende a solução de Governo em Portugal, quem tem “peso efetivo” em Bruxelas e não quem integra grupos “excêntricos”.

Palavras proferidas por António Costa na sessão de apresentação da lista europeia do PS, num discurso em que procurou traçar diferenças entre os candidatos socialistas e os do PSD e CDS-PP, mas, também, em relação ao Bloco de Esquerda e PCP.

Depois de terem discursado os 12 primeiros candidatos da lista socialista ao Parlamento Europeu, António Costa abriu a sua intervenção com a referência ao facto de, “felizmente, o PS tem muitos bons quadros e, como tal, não precisa de apresentar os mesmos [cabeças de lista] pela terceira vez”.

“Temos também uma lista absolutamente paritária. E destaco o absolutamente. É que somos pela paridade de género por convicção e não por obrigação”, declarou, recebendo uma prolongada salva de palmas.

Num plano mais político – e numa tentativa de “voto útil” à esquerda -, o secretário-geral do PS defendeu que é importante que se elejam candidatos para grupos com peso no Parlamento Europeu, que contem efetivamente no Parlamento Europeu e que não sejam marginais ou excêntricos no Parlamento Europeu”.

“É preciso que seja um grupo que pese na decisão política no Parlamento Europeu, na escolha da Comissão Europeia e na negociação dos grandes processos legislativos. Por isso, integrar o grupo socialista, que é o primeiro ou o segundo do Parlamento Europeu, é uma condição essencial para podermos ter força”, sustentou.

A seguir, o secretário-geral do PS referiu-se especificamente às consequências nacionais em resultado das eleições de 26 de maio próximo, ponto em que atacou indiretamente o PSD e o CDS-PP.

“Há outro requisito fundamental é ter peso político dentro desse grande grupo, porque se não tivermos peso também não contamos para fazer a diferença”, afirmou, sem nunca se referir diretamente ao PSD ou ao CDS-PP

Segundo António Costa, para o país ter “uma nova agenda social e uma Europa mais amiga do emprego e do crescimento, para ter uma Europa que não combata a mudança política que iniciada há três anos em Portugal, é absolutamente essencial ter no Parlamento Europeu quem possa fazer a diferença, ou seja, os candidatos e candidatas do PS”.

Outra diferença que o líder socialista procurou estabelecer, designadamente com o PSD, foi no que respeita à cobertura territorial da lista de candidatos do PS ao Parlamento Europeu.

“A Madeira e os Açores podem ser regiões ultraperiferias na União Europeia, mas na lista do PS têm representantes ultraelegíveis”, declarou, numa alusão ao quinto lugar de André Bradford (Açores) e ao sexto lugar de Sara Cerdas (Madeira).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira (E), e a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D). Fotografia: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Governo deixa cair referencial geral para aumento de salários

Elisa Ferreira, António Costa. Fotografia: Álvaro Isidoro/Global Imagens

Elisa Ferreira. Minas de lítio têm de “compensar impacto ambiental”

Iberdrola

Iberdrola investe 200 milhões em projetos eólicos no Alto Tâmega

Costa pede voto em “quem tem peso efetivo” em Bruxelas