Eleições legislativas 2019

Costa traça como um dos “grandes” desafios o investimento na ferrovia

15/07/2019 - O primeiro-ministro, António Costa viaja no comboio elétrico de Marco de Canaveses em direção à estação de Caíde de Rei onde irá marcar presença na apresentação dos trabalhos desenvolvidos na empreitada de Modernização do Troço Caíde-Marco de Canaveses. 
(Global Imagens)
15/07/2019 - O primeiro-ministro, António Costa viaja no comboio elétrico de Marco de Canaveses em direção à estação de Caíde de Rei onde irá marcar presença na apresentação dos trabalhos desenvolvidos na empreitada de Modernização do Troço Caíde-Marco de Canaveses. (Global Imagens)

O secretário-geral do PS classificou hoje o investimento na ferrovia como um dos “grandes desafios”, relembrando que até 2030 Portugal tem de ser capaz de reduzir em 40% as emissões de gases com efeito de estufa.

“A importância do investimento na ferrovia é um dos grandes desafios que nós temos, que toda a humanidade tem, e que está relacionada com o controlo das alterações climáticas. Portugal foi o primeiro país do mundo a fixar objetivos de neutralidade carbónica em 2050 a estabelecer um roteiro para essa, antecipando para 2030 metas mais exigentes”, disse.

António Costa falava aos jornalistas à chegada a Espinho, depois de uma viagem de comboio desde Oliveira de Azeméis, ambas no distrito de Aveiro, acompanhado pelo ministro das Infraestruturas e Habitação e cabeça de lista distrital do PS, Pedro Nuno Santos.

O secretário-geral socialista, que fez em Espinho a primeira arruada da campanha às eleições legislativas de 06 de outubro, frisou que o setor dos transportes é “fundamental” para o país alcançar os objetivos traçados em matéria de neutralidade carbónica.

Falando em “metas ambiciosas”, o socialista recordou que o programa ferrovia 2020, o plano nacional da indústria ferroviária, a modernização das grandes redes de metro, a renovação do material circulante e o aumento da oferta de transporte fluvial são estratégias cruciais para alcançar os objetivos.

Alinhado com o também chefe do Governo, o ministro das Infraestruturas salientou que durante anos se considerou a ferrovia como sendo “transporte do passado”.

Pelo contrário, argumentou o ministro e dirigente socialista, o transporte ferroviário é o transporte do futuro e uma das apostas do Governo PS.

Consciente dos “grandes problemas” da ferrovia, Pedro Nuno Santos falou, especificamente, da Linha do Vouga, que liga Espinho a Sernada do Vouga, referindo que moderniza-la e ligá-la à Linha do Norte (Lisboa – Porto) é um dos “grandes objetivos” do executivo, constando já do programa nacional de investimentos.

Da estação de Espinho, os socialistas seguiram pela marginal em direção à câmara municipal local, mas pelo caminho Costa encontrou Maria do Sameiro Carvalho, de Braga, mas em Espinho a passear e com um rol de queixas relativamente à ferrovia, tema abordado por Costa minutos antes.

Numa conversa de mais de cinco minutos, e com o secretário-geral do PS a explicar aos jornalistas que esta não estava encomendada, tal como pode dar ideia, referiu que foi uma “feliz coincidência”.

“Nem de propósito, falei disso há pouco”, respondia a Maria do Sameiro, enquanto esta lembrava que as pessoas à medida que vão envelhecendo usam mais o comboio e menos o carro devido às possibilidades financeiras, à saúde física e ao ambiente.

Carris à parte, a mulher aproveitou ainda para falar nas “sobrelotações” das prisões portuguesas e recordar uma conferência em que ouviu Costa, à data ministro da Justiça.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Costa, primeiro-ministro. ( Pedro Granadeiro / Global Imagens )

Conheça a composição do novo Governo de António Costa

António Costa, primeiro-ministro. ( Pedro Granadeiro / Global Imagens )

Conheça a composição do novo Governo de António Costa

O primeiro-ministro, António Costa, e o ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Centeno adia esboço orçamental de 2020 até quarta de manhã

Outros conteúdos GMG
Costa traça como um dos “grandes” desafios o investimento na ferrovia