Consumo

Covid-19. O que andam os portugueses a comprar online?

Foto: DR
Foto: DR

Compras online de comércio alimentar & retalho e restauração, food delivery e take away sobem 45% e 52%, na semana de 30 de março a 5 de abril.

Confinados em casa, o que compram os portugueses? Mais online, com os valores a se aproximar aos valores anteriores ao período antes da confirmação do primeiro caso de covid-19, segundo os dados da SIBS.

Na semana entre 30 de março e 5 de abril há “um aumento significativo das compras online”, com as aquisições neste canal a ganhar um peso crescente no total das compras efetuadas em Portugal. “Nas compras online, os setores que verificaram um maior aumento neste período foram entretenimento e cultura, que registou um aumento de 64%, comércio alimentar & retalho com um aumento de 45%, e restauração, food delivery e take away com um aumento de 52%”, refere a SIBS, ao Dinheiro Vivo.

A renovação do Estado de Emergência “não originou significativas alterações nos padrões de consumo em Portugal, com um aumento de 17 pontos base nas compras de e-commerce e de 6 pontos nas transações em lojas físicas, face à semana de 23 a 29 de março, com os portugueses a privilegiarem as compras online em vários setores.”

Apesar da recuperação, “as compras online ainda se encontram 13 pontos abaixo da média registada antes da confirmação do primeiro caso de covid-19”, enquanto as transações em loja registam “uma quebra de 50 pontos base no número de compras totais em comparação com o registo médio anterior ao início da propagação do novo coronavírus em Portugal.”

Ainda assim, há um ligeiro aumento das transações comerciais em loja face à semana anterior, acompanhado de um aumento no valor médio por compra, para 41,1 euros (entre 30 de março a 5 de abril), um aumento de 6% face à média da semana anterior e de 18% face à média verificada antes da confirmação de casos em Portugal.

O que compram?

Entretenimento ganhou expressão na semana de 30 de março a 5 de abril no que toca às compras online, com o segmento de entretenimento, cultura e subscrições a registar um aumento de 64% face à semana antes da pandemia, seguido do comércio alimentar & retalho (+45%), restauração, food delivery e take away com um aumento de 52%, entre outros como farmácias & parafarmácias, perfumaria & cosmética, jogos & brinquedos e decoração & artigos para o lar. “Estes setores representaram uma em cada duas compras dos portugueses online neste período, sendo, no entanto, de realçar que as compras online denotam uma maior dispersão por diferentes setores de atividade face às compras físicas”, destaca a SIBS.

O valor médio das compras online aumentou ligeiramente, para 38,9 euros, face aos 37,5 euros (+4%) de média verificada antes da confirmação de casos em Portugal.

E a MB Way – método de pagamento que tem sido recomendado nesta fase de pandemia, bem como transferências bancárias e cartões de crédito – tem vindo a subir, tanto nas compras online como em loja, tendo na semana de 30 de março a 5 de abril, “o número de pagamentos com MB WAY no e-commerce superado a média registada antes da pandemia. Já comparativamente à semana anterior, de 23 a 29 de março, verificou-se um aumento de 23 pontos.”

A quebra de consumo de portugueses no estrangeiro e de estrangeiros em Portugal estabilizou vs a semana anterior, em níveis de menos 65% e menos 85% respetivamente vs a média semanal antes do início da crise provocada pela pandemia.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Nazaré Costa Cabral, presidente do Conselho de Finanças Públicas. (João Silva / Global Imagens)

Cenário severo em 2020. Défice nos 9%, dívida em 142%, desemprego nos 13%

O primeiro-ministro, António Costa. Fotografia: António Cotrim/Lusa

Apoios à TAP formalizados “em breve” depois de consultas com Bruxelas

António Saraiva, o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, fala aos jornalistas à chegada para a reunião extraordinária da Comissão Permanente da Concertação Social, em Lisboa, 09 de março de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Patrões contra “machadada letal” no lay-off simplificado

Covid-19. O que andam os portugueses a comprar online?