Imobiliário

CP põe à venda palacete em Gaia e apartamento no Porto por 800 mil euros

(Pedro Granadeiro/Global Imagens)
(Pedro Granadeiro/Global Imagens)

A CP está a vender um palacete em Vila Nova de Gaia e um apartamento no Porto. Pede 800 mil euros pelos dois imóveis.

Um prédio no Largo 5 de Outubro, em Vila Nova de Gaia, e um apartamento na Rua Faria Guimarães, no Porto. É com a venda deste património que a CP quer encaixar, pelo menos, 809 mil euros. O anúncio da venda dos dois imóveis foi publicado este sábado na edição impressa do jornal Expresso.

O prédio de Vila Nova de Gaia, descrito no prospeto de venda como um palacete, tem um preço base de 490 mil euros. O imóvel, situado junto à estação das Devesas, tem 365 metros quadrados (m2) distribuídos por quatro andares e um logradouro com 240 m2.

Já o apartamento da Faria Guimarães, no Porto, está à venda por 319 mil euros. A casa fica num primeiro andar e tem uma área bruta privativa de 266 m2 e um terraço com 390 m2. De acordo com o dossier promocional, “o prédio tem uma excelente situação geográfica no que concerne à implantação de serviços, relativamente à cidade do Porto, encontra-se localizado numa zona com boas acessibilidades e infraestruturas operacionais. Num raio de 400 existem duas estações de metro: Faria Guimarães e Marquês”.

As propostas para a compra dos imóveis devem ser feitas à CP até às 17:00 de 9 de abril. As mesmas serão abertas em ato público no dia seguinte. Segundo a CP, “as propostas serão avaliadas de acordo com o critério da proposta economicamente mais vantajosa”.

Depois, “os concorrentes que apresentarem as propostas com os três melhores preços (mais elevado) são convidados a melhorar as suas propostas, num prazo a indicar pela CP, não inferior a 2 dias”.

Quem adquirir os imóveis terá de pagar o equivalente a 10% do valor proposto na data de assinatura do contrato. O valor restante terá de ser pago no dia da celebração da escritura.

No final de 2017 a CP detinha um património imobiliário avaliado em 95,5 milhões de euros. No último relatório e contas disponível, a empresa sublinhava que “um dos objetivos do Grupo é proceder à alienação de bens não necessários à sua atividade”, essencialmente “edifícios e material circulante”.

A CP garantia então que “a gestão de topo encontra-se comprometida no desenvolvimento de ações que possibilitem a concretização dessas alienações, através da prospeção de eventuais interessados quer no mercado interno quer no mercado externo”. O Dinheiro Vivo tentou obter esclarecimentos junto da CP sobre a estratégia da empresa para a venda de património imobiliário, mas não obteve resposta até ao momento.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
16. Empregados de mesa

Oferta de emprego em alta no verão segura aumento de salários

Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (Fotografia: José Coelho/ Lusa)

Marcelo aprova compra do SIRESP. Governo fica com “acrescidas responsabilidades”

draghi bce bancos juros taxas

BCE volta a Sintra para o último Fórum com Draghi na liderança

Outros conteúdos GMG
CP põe à venda palacete em Gaia e apartamento no Porto por 800 mil euros