crédito à habitação

Juros da casa sobem em julho para máximos de quase dois anos

Os valores foram divulgados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

As taxas de juro implícitas nos contratos de crédito à habitação voltaram a aumentar em julho. O valor médio situou-se nos 1,038%, acima dos 1,032% registados em junho. Os juros não estavam tão altos desde novembro de 2016.

Os valores revelados esta quarta-feira pelo INE revelam ainda que a prestação média dos créditos foi de 242 euros, mais 1 euro que no mês anterior.

“Deste valor, 45 euros (19%) correspondem a pagamento de juros e 197 euros (81%) a capital amortizado”, detalha a nota do INE.

Já o capital médio em dívida aumentou 108 euros para 52 016 euros.

A subida dos juros verificou-se também nos novos créditos. Nos contratos celebrados nos últimos três meses a taxa de juro média rondou os 1,471%. Em junho o valor situava-se nos 1,427%. Ainda assim, os juros dos contratos novos continuam abaixo dos valores do ano passado, quando a média registada foi de 1,681% em julho de 2017.

Nestes contratos, o valor médio da prestação diminuiu 7 euros em julho, de 315 para 308
euros. Já o montante médio da dívida subiu 897 euros para 97 758 euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Imagem de 2013 do antigo Convento das Convertidas, em Braga. 
(Sérgio Freitas / Global Imagens)

Veja o mapa com os 50 imóveis que o Estado vai reabilitar para arrendar

Imagem de 2013 do antigo Convento das Convertidas, em Braga. 
(Sérgio Freitas / Global Imagens)

Veja o mapa com os 50 imóveis que o Estado vai reabilitar para arrendar

ANTÓNIO COTRIM / LUSA

Inquérito à CGD: Berardo, crise financeira e gestão danosa dividem deputados

Outros conteúdos GMG
Juros da casa sobem em julho para máximos de quase dois anos