Crescimento do preço das casas dá sinais de abrandamento

Os preços das casas subiram 9,4% no segundo trimestre deste ano face ao período homólogo de 2019. No entanto, o crescimento abrandou face aos três primeiros meses do ano.

O crescimento dos preços das casas está a dar sinais de abrandamento desde o início da pandemia em Portugal. As estatísticas de preços da habitação a nível local divulgadas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) assim o comprovam.

O preço mediano das casas atingiu os 1 187 euros por metro quadrado no segundo trimestre deste ano, valor que representa um decréscimo de 1,4% face aos três primeiros meses de 2020, avança o relatório do INE. Em termos homólogos, registou-se um crescimento de 9,4%, mas "a evolução da taxa de variação homóloga entre o primeiro e segundo trimestre de 2020, de 14,4% para 9,4% evidencia a desaceleração do ritmo de crescimento dos preços da habitação", adianta.

O INE revela que em 14 NUTS III verificou-se também uma desaceleração do ritmo de crescimento dos preços das casas e em oito sub-regiões esse abrandamento foi superior ao registado no país.

Esta tendência foi mais acentuada nas sub-regiões do Médio Tejo (-15,4 pontos percentuais) e Lezíria do Tejo (-10,0 p.p.) mas também na Área Metropolitana do Porto (-7,2 p.p.), na Região Autónoma da Madeira (-6,9 p.p.) e na Área Metropolitana de Lisboa (-4,2 p.p.), as três sub-regiões com preços da habitação mais elevados do país.

Nos 24 municípios com mais de 100 mil habitantes, a taxa de variação homóloga reduziu-se em 19 municípios entre o primeiro e o segundo trimestre. De acordo com o documento, esta desaceleração foi superior ao padrão nacional em 10 municípios.

A redução foi mais acentuada no Funchal (-15,8 p.p.), em Gondomar (-15,5 p.p.) e, a alguma distância, na Maia (-9,0 p.p.) e em Setúbal (-8,0 p.p.).

Os únicos municípios com mais de 100 mil habitantes a apresentar uma aceleração no crescimento dos preços foram Santa Maria da Feira (+7,8 p.p.), Guimarães (+7,2 p.p.), Porto (+3,1 p.p.), Seixal (+ 2,7 p.p.) e Oeiras (+1,0 p.p.).

Quatro regiões acima da média nacional

Já nos últimos doze meses terminados em junho, o preço médio das casas foi 1 137 euros por metro quadrado, um aumento de 1,8% face ao trimestre anterior e de 10,3% relativamente ao trimestre homólogo.

O preço da habitação manteve-se acima do valor nacional nas regiões do Algarve, Área Metropolitana de Lisboa, Região Autónoma da Madeira e Área Metropolitana do Porto, atingindo os 1 682 euros por metro quadrado, 1 550, 1 272 e 1 153, respetivamente.

No segundo trimestre de 2020, tendo em conta os últimos 12 meses, Lisboa apresentou o preço de habitação mais elevado (3 376 euros por metro quadrado), entre as sete cidades com mais de 100 mil habitantes.

O Porto, pela primeira vez desde o segundo trimestre de 2016, apresentou um ritmo de crescimento homólogo dos preços inferior ao nacional.

Neste período, o preço médio das casas novas foi 1 234 euros por metro quadrado e para os alojamentos existentes o valor situou-se em 1 121 euros por metro quadrado.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de