exportações

Crescimento do turismo em 2019 é o mais baixo desde a última crise

Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, durante a inauguração das Escadinhas da Saúde rolantes, ao Martim Moniz. Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens
Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, durante a inauguração das Escadinhas da Saúde rolantes, ao Martim Moniz. Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens

O ano passado correu bem, mas fica bastante abaixo dos níveis exuberantes de 2014 a 2017. Peso nas exportações ronda 20%, o maior de que há registo

O turismo vive, segundo responsáveis do setor, um “ambiente de fim de ciclo” desde finais de 2018 e os dados do Banco de Portugal vieram confirmar que em 2019, não sendo um ano fraco, existe um abrandamento notório na atividade das viagens e turismo. O crescimento do turismo em 2019 é o mais baixo desde 2013, ano de crise e austeridade em Portugal.

Depois das exportações deste setor terem disparado mais de 21% em 2017, o ritmo da faturação deslizou para 9,7% em 2018 e para 8,1% no ano passado, indicou ontem o banco central, que é a entidade responsável pelo apuramento da balança de serviços.

No ano passado, as exportações totais subiram 4,5%, tendo abrandado pelo segundo ano consecutivo. O mesmo aconteceu ao nível das vendas de mercadorias ao exterior, que cresceram apenas 3,6% em termos nominais e nos serviços, onde a expansão anual foi de 5,9%.

As viagens e o turismo não destoam nesta tendência. Também estão a perder força há dois anos seguidos e, mais recentemente, começaram a adensar-se nuvens no horizonte por causa da crise do coronavírus, que limita ou ameaça diretamente indústrias como a dos cruzeiros ou das viagens de avião.

No entanto, como a expansão da faturação do turismo em Portugal continua a superar a das exportações totais, o peso dessas atividades turísticas e relacionadas continuou a subir em 2019, tendo atingido, segundo cálculos do Dinheiro Vivo, o maior valor de que há registo, nada menos de 19,7% do total exportado pelas empresas portuguesas, mostram as séries do Banco de Portugal, que remontam a 1996.

Considerando apenas a balança de serviços, o turismo reafirma o seu domínio, sendo responsável por mais de metade (52%) destas exportações. Muitos analistas consideram que esta grande exposição ao fluxo do turismo é um risco a ter em atenção.

Há a questão do “fim de ciclo”, que está ligada à dificuldade de a economia crescer a ritmos exuberantes como no passado recente, e também o problema de pode existir uma disrupção nos fluxos turísticos internacionais por causa da nova pneumonia viral com origem na China.

Paolo Gentiloni, o comissário europeu da Economia, alertou na semana passada que podemos ter agora pela frente anos de “crescimento ténue” e que no caso do coronavírus “é demasiado cedo para avaliar em que medida terá um impacto económico negativo”. Acrescentou que setores como “indústria transformadora, turismo e viagens” são os mais vulneráveis a esta nova situação, dependendo do tempo que durar este problema.

Este perfil de contaminação à economia real afetará diretamente uma economia como Portugal, tendo em conta a importância crescente do turismo no emprego e na atividade em geral, designadamente na dinâmica de construção e no valor do imobiliário. Que, diz a Comissão Europeia, até já estará a corrigir dos picos dos últimos anos.

Em declarações ao Dinheiro Vivo, Sarah Carlson, a analista que segue Portugal na agência de rating Moody’s, constata que “os territórios onde a ligação é mais direta entre o problema do vírus e a economia são a China e a Ásia mais oriental. O risco associado ao coronavírus em termos económicos não está em níveis máximos na Europa ou em Portugal, mas se começar a aumentar, os setores mais vulneráveis são o do transporte aéreo, turismo, logística. Temos de estar atentos”.

Défice comercial dispara

Apesar das exportações continuarem em expansão, o défice comercial de Portugal (diferença entre exportações e importações) agravou-se substancialmente em 2019. Do lado das vendas ao exterior, os dados publicados pelo Banco de Portugal mostram uma forte retração na faturação com combustíveis (menos 8,9% face a 2018) e em mercados como Angola (quebra de 18%).

Do outro lado da balança, destaca-se o aumento de 18% nas importações de bens de equipamento o que, agravando o défice comercial, pode ter uma leitura positiva, já que se trata de novo investimento.

Tudo somado, o défice comercial mínimo alcançado em 2018 (cerca de 218 milhões de euros) é agora dez vezes maior em 2019, ultrapassando os 2,9 mil milhões de euros, segundo as contas do Dinheiro Vivo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

Antonoaldo Neves, presidente executivo da TAP. Fotografia: Adelino Meireles/Global Imagens

TAP também vai avançar com pedido de layoff

Veículos da GNR durante uma operação stop de sensibilização para o cumprimento do dever geral de isolamento, na Autoestrada A1 nas portagens dos Carvalhos/Grijó no sentido Sul/Norte, Vila Nova de Gaia, 29 de março de 2020. MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Mais de 80 detidos e 1565 estabelecimentos fechados

Crescimento do turismo em 2019 é o mais baixo desde a última crise