Coronavírus

Criada rede de emergência alimentar por causa da Covid-19

A presidente da federação dos bancos alimentares contra a fome, Isabel Jonet.
(Gerardo Santos / Global Imagens)
A presidente da federação dos bancos alimentares contra a fome, Isabel Jonet. (Gerardo Santos / Global Imagens)

Banco Alimentar Contra a Fome é o principal promotor desta iniciativa para ajudar comunidades mais desfavorecidas.

Está criada a rede de emergência alimentar por causa do novo coronavírus (Covid-19). Esta rede serve sobretudo para ajudar as comunidades mais desfavorecidas e é promovida pelo Banco Alimentar, em parceria com a associação Entrajuda e a Bolsa do Voluntariado, segundo um comunicado divulgado esta sexta-feira.

A rede de emergência alimentar vai permitir a “inscrição das necessidades (pelos próprios, familiares, amigos ou quaisquer outros) numa plataforma informática, o encaminhamento para um ponto de entrega de alimentos próximo da sua residência (IPSS ou autarquia que faça a acreditação/referenciação), e será mobilizadora de um corpo de voluntários”.

Os voluntários desta rede, devidamente protegidos vão “realizar em horário e local definidos o transporte das refeições confecionadas ou dos produtos para os pontos de entrega ou para as residências das pessoas carenciadas mais fragilizadas, reduzindo o número de pessoas em circulação, mas garantindo o abastecimento e envolvendo as estruturas já existentes e canais já montados”.

Esta rede surge numa altura em que diminuiu o número de voluntários disponível, muitos deles a cuidarem dos filhos ou de outros familiares, e também do encerramento dos mecanismos de apoios de instituições de solidariedade social, creches e infantários.

“A ajuda não pode parar junto das pessoas mais vulneráveis que, em resultado e no respeito absoluto do Estado de Emergência e das medidas decretadas para conter a propagação da pandemia, ficaram, entretanto, privadas da assistência alimentar que normalmente recebem”, assinala, Isabel Jonet, Presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares contra a Fome e da Entrajuda, citada em nota de imprensa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Indústria do calçado. 
Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal regressou ao Top 20 dos maiores produtores de calçado

Alexandre Meireles, presidente da ANJE. Fotografia:  Igor Martins / Global Imagens

ANJE teme que 2021 traga “grande vaga” de falências e desemprego

Mina de carvão perto da cidade de Oaktown, Indiana, Estados Unidos. (EPA/TANNEN MAURY)

Capacidade de produção de carvão caiu pela primeira vez

Criada rede de emergência alimentar por causa da Covid-19