auditoria

Cristas sugere uma auditoria ao Ministério da Economia

Assunção Cristas
Assunção Cristas

A presidente do CDS-PP referiu que há um atual ministro que foi assessor no gabinete do antigo ministro Manuel Pinho.

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, sugeriu esta quarta-feira ao primeiro-ministro uma auditoria no Ministério da Economia, referindo que há um atual ministro que foi assessor no gabinete do antigo ministro Manuel Pinho.

“Causa-me alguma estranheza que, pelo menos, em relação ao Ministério da Economia não seja feito um escrutínio e uma auditoria interna muito profunda para perceber o que aconteceu, então, quando, de resto, tínhamos um atual ministro deste Governo que era assessor daquele gabinete”, disse Assunção Cristas, no debate quinzenal com o primeiro-ministro, no parlamento.

O chefe do Governo respondeu à líder centrista que está em curso uma investigação criminal, que dispõe de instrumentos que permitem ao Ministério Público ir mais longe do que uma sindicância.

“Ora se o Ministério Público já no âmbito criminal, em que os instrumentos de investigação são muito mais intrusivos e permitem maior aprofundamento do conhecimento, tem uma investigação aberta, que sentido faz agora pedir uma sindicância, para o Ministério Público fazer em sede administrativa o que já está a fazer em sede criminal?”, questionou António Costa.

“Ou a senhora deputada não confia no Ministério Público? Olhe, eu confio no Ministério Público”, acrescentou o primeiro-ministro.

Este tema marcou as questões que a líder centrista colocou ao primeiro-ministro no debate quinzenal, que começou por perguntar se estava em curso algum procedimento de escrutínio e ou de prevenção.

“Depois de termos visto que havia surpresa do lado de vários dirigentes do PS, aliás ministros do seu Governo, em relação ao que seu passou num anterior Governo de que o senhor fez parte no início (mas teve colegas que fizeram parte durante bastante mais tempo e até ao fim), percebemos que houve surpresa porque ninguém viu nada, ninguém ouviu nada, ninguém se apercebeu de nada”, disse, a introduzir.

“Eu dou isso de barato e não me compete a mim estar a duvidar disso, mas compete perguntar-lhe, enquanto primeiro-ministro, se isso foi assim e se isso é assim, o que é que o senhor primeiro-ministro está a fazer internamente no seu Governo? Considera ou não necessário ter um escrutínio interno, ter mecanismos de fiscalização ou ter mecanismos de prevenção para que aquilo que se passou com o seu Governo socialista do passado, de que foi ‘número dois’ no início, não aconteça agora também”, questionou.

O primeiro-ministro começou por responder desconhecer que tenha ocorrido com qualquer membro do atual Governo alguma situação como a que alegadamente envolve membros do anterior executivo PS, liderado por José Sócrates, e recusou ter uma “suspeição generalizada sobre todos os seres humanos”.

António Costa ainda acrescentou, mais à frente, que espera que quem ocupou aquele Ministério posteriormente tenha apresentado às autoridades quaisquer indícios de irregularidades, tal como ele próprio chegou a fazer no passado.

Assunção Cristas respondeu que, “quem sucedeu a Manuel Pinho foi Vieira da Silva”, distanciando-se assim de qualquer referência indireta aos ministros da Economia da era Passos/Portas: o independente Álvaro Santos Pereira e o centrista António Pires de Lima.

A líder do CDS-PP questionou ainda o primeiro-ministro sobre a preparação da época crítica de incêndios, nomeadamente a prontidão dos meios aéreos, e também acerca do “garrote” que o Ministério das Finanças impõe ao Ministério da Saúde.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Tony Dias/Global Imagens)

Consumo dispara e bate subida de rendimentos

Hotéis de Lisboa esgotaram

“Grandes” eventos impulsionaram aumento dos preços na hotelaria em junho

Catarina Martins, Bloco de Esquerda

Catarina Martins diz que “Ryanair não pode ter um estatuto de impunidade”

Outros conteúdos GMG
Cristas sugere uma auditoria ao Ministério da Economia