Dívida

Custo da dívida pública emitida até outubro em novo mínimo histórico de 1,1%

Cristina Casalinho, presidente do IGCP.
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)
Cristina Casalinho, presidente do IGCP. (PAULO SPRANGER/Global Imagens)

O custo da dívida pública emitida por Portugal tem vindo a descer desde 2011, quando o país pediu assistência financeira internacional.

O custo da dívida emitida por Portugal entre janeiro e outubro fixou-se em 1,1%, um novo mínimo histórico, de acordo com o boletim mensal do IGCP – Agência de Gestão de Tesouraria e da Dívida Pública.

Segundo dados hoje divulgados pela entidade liderada por Cristina Casalinho, o custo médio da dívida emitida por Portugal situou-se em 1,1% até outubro, abaixo dos 1,2% registados até setembro, o que corresponde a um novo mínimo histórico desde, pelo menos, 2010, quando começam os registos do IGCP.

O custo da dívida pública emitida por Portugal tem vindo a descer desde 2011, quando o país pediu assistência financeira internacional. Naquele ano, o custo que Portugal pagou por emitir nova dívida atingiu o máximo histórico de 5,8%.

Já entre 2017 e 2018, o custo da dívida pública portuguesa emitida passou de 2,6% para 1,8%.

O boletim hoje divulgado indica também que o saldo da dívida direta do Estado ascendeu a 246,7 mil milhões de euros no final de outubro, uma descida de 0,1% face ao mês anterior.

O IGCP explica que esta variação no ‘stock’ da dívida direta do Estado deveu-se “essencialmente, ao pagamento antecipado do empréstimo do Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF), num montante de dois mil milhões de euros”, que foi executado em 17 de outubro.

A entidade indica também que, “adicionalmente, verificou-se a amortização do BND NOK OUT2019, no montante de 86 milhões de euros”.

E o IGCP refere ainda que, por outro lado, se registou um aumento do saldo de Bilhetes do Tesouro (BT), “explicado pela realização de dois leilões, nos montantes de 350 milhões de euros (na linha a três meses BT 17JAN2020) e 904 milhões de euros (na linha a 11 meses BT 18SET2020)”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento suplementar mantém despesa de 704 milhões de euros para bancos falidos

Jorge Moreira da Silva, ex-ministro do ambiente

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Acordo PS-PSD. “Ninguém gosta de um planalto ideológico”

Mario Draghi, presidente do BCE. Fotografia: Reuters

Covid19. “Bazuca financeira tem de fazer mira à economia, desigualdades e clima”

Custo da dívida pública emitida até outubro em novo mínimo histórico de 1,1%