prémio dona antónia

D. Antónia premeia investigação à malária e jovem empresária

Sara do Ó e Maria Manuel Mota receberam o galardão numa cerimónia privada no Douro. Fotografia: Direitos Reservados
Sara do Ó e Maria Manuel Mota receberam o galardão numa cerimónia privada no Douro. Fotografia: Direitos Reservados

Maria Manuel Mota recebeu o Prémio Consagração de Carreira. O Prémio Revelação foi para Sara do Ó.

Maria Manuel Mota e Sara do Ó são as vencedoras da 32.ª edição do Prémio Dona Antónia. Em ano de pandemia, o júri do galardão, que procura prestigiar mulheres portuguesas que se distinguiram pelas suas qualidades humanas e espírito empreendedor, escolheu a bióloga e cientista portuguesa, que há mais de 20 anos investiga a malária, para o Prémio Consagração de Carreira. Já o Prémio Revelação foi para a CEO do grupo Your. A entrega decorreu no Douro, numa cerimónia privada, devido às limitações decorrentes da covid-19.

Em declarações ao Dinheiro Vivo, Maria Manuel Mota diz sentir-se “especialmente honrada” com a distinção. “Claro que nos sentimos sempre muito honradas quando recebemos um prémio, mas, neste caso, é especial. Acho a Dona Antónia uma figura incrível. Uma mulher que, não tendo conhecimento científico, soube procurá-lo e implementá-lo para enfrentar uma praga enorme que ameaçava destruir tudo e condenar a região à fome. Foi, verdadeiramente, uma fazedora e este prémio representa algo de muito bonito”, afirma.

Para a bióloga e diretora executiva do Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes, o exemplo de Dona Antónia mantém-se mais atual do que nunca. “Ainda precisamos destes modelos. Dois séculos depois, temos de criar quotas para as mulheres [para determinados cargos], parece somos uma qualquer minoria, a precisar de ajudar, mas não somos, somos metade da população, não faz sentido nenhum”, defende Maria Manuel Mota. A cientista partilha o prémio com as “dezenas de pessoas” que, nos últimos 18 anos, fizeram parte da sua equipa, na pesquisa da malária e que os motivará a continuar um trabalho, onde muito há ainda para fazer. “Conhecemos o parasita que causa a malária há mais de 100 anos e ainda morrem, todos os anos, meio milhão de crianças abaixo dos cinco anos com malária. E isso é algo que nos deve fazer pensar”, sublinha.

“Muito orgulhosa”, Sara do Ó vê no prémio um “grande estímulo” para continuar a desenvolver a sua carreira com base nos valores de Dona Antónia, destacando a “virtude, o gosto pelo risco e o sentido de serviço ao outro” da empreendedora duriense. O prémio monetário que acompanha a distinção vai aplicá-lo na “Ilha da Misericórdia”, a associação sem fins lucrativos que criou para apoio a pessoas em recomeço de vida e que, para já, tem no grupo Your o seu único mecena.

Além disso, Sara do Ó espera que a distinção dê força a toda a equipa da Your para potenciar a ajuda e apoio que concede às PME com que trabalha, com uma liderança “cada vez mais servidora”, tão necessária “nestes tempos de incerteza”. A Your é um grupo de outsourcing de apoio à gestão, fornecendo “soluções integradas” às PME, para que “o cliente se dedique ao seu core”. O projeto arrancou em 2011, com serviços de contabilidade, mas que entretanto alargou a mais nove áreas de negócio distintas. Fornece serviços a 1900 pequenas e médias empresas que vivem, atualmente, momento de “grande ansiedade, de incerteza e de luta para não perderem tudo o que já foi conquistado”.

No primeiro ano a Your faturou 50 mil euros, o ano passado chegou já perto dos sete milhões. “Somos um bom exemplo do que é começar por um sonho e ir crescendo, através de um caminho sustentável. Na verdade, vamos crescendo à medida que os nossos clientes crescem também”, diz Sara do Ó, que promete continuar a desenvolver “novas áreas de negócio” para apoiar os gestores e os líderes empresariais, permitindo que “tenham acesso, assim, a pessoas mais seniores e com grandes valências, através da subcontratação de know how especializado, um fator fundamental para o crescimento das pequenas e médias empresas”.

Presidido por Artur Santos Silva, o júri do Prémio Dona Antónia é, ainda, composto por Francisco Olazabal e Maria João Spratley Ferreira, descendentes de ‘A Ferreirinha’, como era carinhosamente apelidada no Douro, e por Luís Valente de Oliveira, Rui Guimarães, Isabel Furtado e Raquel Seabra. Isabel Furtado foi a vencedora do Prémio Consagração, o ano passado, e Raquel Seabra foi distinguida na 24ª edição do galardão.

Criados em 1988 pelos descendentes da homenageada e pela Sogrape, a atual detentora da marca Ferreira, a casa de vinho do Porto criada por Dona Antónia, os prémios distinguem mulheres portuguesas “que se afirmam pelas suas qualidades humanas e espírito empreendedor, seguindo o excecional exemplo de vida de Dona Antónia ao contribuírem para o desenvolvimento económico, social e cultural de Portugal”, numa lista que inclui nomes como Elisa Ferreira, Vera Nobre da Costa, Maria de Jesus Barroso, Maria da Purificação Tavares, Leonor Beleza ou Teodora Cardoso, mas, também, a maestrina Joana Carneiro ou a cineasta Leonor Teles, emtre muitos outros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Bolsas têm rompido máximos

Bolsas com sinais de outubro vermelho. Mas há oportunidades

Euronext Lisboa. Fotografia: Global Imagens

Pequenos investidores da bolsa pedem quatro mil milhões em indemnizações

segurança social

Não renovação de contratos de grávidas em novo máximo, sobe 17%

D. Antónia premeia investigação à malária e jovem empresária