Previsões

Dados da OCDE confirmam abrandamento da economia

MÁRIO CRUZ/LUSA
MÁRIO CRUZ/LUSA

A economia portuguesa está a crescer a um ritmo mais lento e as perspetivas até ao final do ano não são otimistas. O Banco de Portugal divulga amanhã novos indicadores

A economia portuguesa continua a dar sinais de abrandamento e as perspetivas até ao final do ano são pouco animadoras. A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) divulgou ontem que o indicador compósito avançado (mede alterações no ciclo económico) de Portugal situou-se, em abril, nos 99.76, ou seja 0,06% abaixo do nível 100, o que traduz uma desaceleração da economia. O país está abaixo desse limiar desde janeiro. Na zona euro, os indicadores situaram-se em abril em 100.1, uma décima a menos do que no mês anterior, o que também não confere tranquilidade à economia portuguesa.

“Temos estado a registar um arrefecimento da economia e afastarmo-nos da média do crescimento da União Europeia, o que é preocupante e perigoso”, considera o economista João Duque. O responsável sublinha o pior desempenho das exportações nos primeiros três meses do ano e recorda que, em abril, a procura turística no Algarve também caiu. A economia portuguesa está associada à procura externa, “não temos mercado interno para a sustentar”, logo qualquer travão do exterior é fator de preocupação, diz.

Para uma evolução favorável do produto interno bruto (PIB) português, Angola pode ser decisiva, caso o preço do petróleo mantenha a tendência de subida e as relações políticas entre os países fiquem estáveis. Este cenário “beneficiaria as exportações portuguesas”, embora o aumento do preço do petróleo implique negativamente no consumo dos portugueses.
João Duque recorda que o país viveu um momento altamente favorável, com taxas de juro e preços do petróleo baixos e o turismo e as exportações a crescer. “Agora, está-se a inverter tudo ao mesmo tempo”: o petróleo está a subir, as taxas de juro deverão encarecer e há sinais de abrandamento da procura externa, quer ao nível dos bens quer dos serviços.

Também o Banco de Portugal (BdP) já tinha assinalado esta travagem no crescimento da economia. O indicador coincidente mensal do BdP para abril “manteve a trajetória descendente iniciada em setembro de 2017”, ou seja, recuou para 1,8%. Isto significa que o crescimento foi o mais baixo desde outubro de 2016. Estes sinais menos favoráveis no quadrimestre suscitam dúvidas quanto ao crescimento que irá registar-se no final do ano.

Os números do Instituto Nacional de Estatística também não fogem ao cenário. O PIB registou, no primeiro trimestre, um crescimento em termos homólogos de 2,1%, penalizado pela queda das exportações e que compara com os 2,4% registados nos últimos três meses do ano passado. Amanhã, é divulgado o indicador para a atividade económica de maio.

Alemanha retraída
O conjunto dos países da OCDE situou-se nos 99,9 pontos, uma décima a menos do que o nível 100, que foi registada em março. Alemanha, Canadá, Estados Unidos da América, França, Itália, Japão e Reino Unido, as sete maiores economias, tiveram um crescimento de 100 pontos, uma décima menos do que no mês anterior.

A OCDE observou um crescimento estável nos Estados Unidos (100,2) e no Japão (99,9), baixas no Canadá (99,9), na Alemanha (100,3), na França (99,8), na Itália (100,2) e no Reino Unido (99). O organismo internacional registou uma consolidação do crescimento na Índia (101,2), estabilidade na Rússia (101) e no Brasil (103,8) e sinais de variação positiva na China (99,1).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento pode trazer novo alívio de 200 milhões de euros no IRS

Ponte 25 de Abril

Atrasos no concurso não comprometem arranque das obras na Ponte 25 de Abril

Cabe à Assembleia da República apresentar uma "proposta de medida legislativa" para que a lista de subvenções volte a ser publicada.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

RGDP suspende lista de subvenções vitalícias

Outros conteúdos GMG
Dados da OCDE confirmam abrandamento da economia